Chacina deixa três mortos em condomínio de Maricá

Uma chacina terminou com três mortos, entre a noite de domingo (28) e a madrugada de segunda-feira (1), no Condomínio Minha Casa Minha Vida, no distrito de Itaipuaçu, em Maricá. Uma quarta vítima ficou ferida, mas está fora de perigo.

Segundo a Polícia Militar, as vítimas fatais identificadas são Tiago Marins Vargas dos Santos, de 22 anos; Daniel Marins Vargas dos Santos, também de 22 anos, irmão gêmeo de Tiago; além de um terceiro homem, não identificado.

Um outro rapaz, também de 22 anos, foi baleado na perna direita, socorrido ao Hospital Municipal Conde Modesto Leal e não corre risco de morte. Ainda segundo a PM, todos os baleados, que foram identificados, possuem ficha criminal negativa.

De acordo com informações iniciais, um carro teria entrado no condomínio e passado atirando contra as vítimas. Uma equipe de Patrulhamento Tático-Móvel (Patamo) da 6ª CIA (Maricá) do 12º BPM (Niterói) foi acionada para o local.

Ao confirmar as mortes, os militares acionaram a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSG), que enviou uma equipe de perícia ao local. Em seguida, os corpos foram removidos ao Instituto Médico Legal (IML).

A especializada registrou e irá investigar o caso. Até o momento não há informações sobre motivação e autoria do crime. De acordo com o delegado Bruno Cleuder, titular da especializada, os homicídios já estão sendo apurados.

Casos anteriores

Chacinas não são novidades no condomínio Minha Casa Minha Vida de Itaipuaçu. Cinco jovens foram executados no local, em março de 2018. A DHNSG concluiu, em 2019, que um grupo miliciano, que atua na cidade de Maricá, seria responsável pelo crime. Os homicídios, ainda segundo a especializada, teriam ligação com um duplo homicídio de um vereador e seu filho (advogado), além dos assassinatos de dois jornalistas.

Vereadores pedem mais segurança – Vereadores de Maricá levaram, ontem, o assunto a plenário. Durante a sessão ordinária de ontem, os parlamentares abordaram os crimes e também falaram sobre o crescimento do tráfico de drogas nos residenciais. Eles pediram ações mais efetivas da Polícia Militar no combate à criminalidade na região e do Governo do Estado no envio de mais policiais para o município.

Os vereadores também solicitaram a implantação de políticas públicas dentro dos condomínios a fim de afastar as crianças e adolescentes de crime. Além disso, pediram que o Executivo busque mecanismos de investigação para identificar o uso indevido de apartamentos do MCMV, já que há denúncias de imóveis que foram invadidos por criminosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 10 =