Centro de Niterói lidera ranking dos furtos de bikes

Augusto Aguiar

Nos 12 meses de 2016 foram registrados 2.013 furtos de bicicletas em todo o estado do Rio, uma média de cinco casos por dia. Desse total de furtos em todo o estado, 205 foram registrados em Niterói no ano passado, praticamente 10%. O primeiro semestre do ano registrou 183 casos de furtos de bikes na cidade contra outros 122 no segundo semestre.

A região do Centro, área da 76ª DP, foi a que mais formalizou registros de furtos de bikes, com 119 casos de janeiro a dezembro, ou seja, respondeu por mais da metade dos registros nas demais delegacias da cidade. No levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP), o auge da escalada dos crimes dessa modalidade ocorreu no mês de agosto, com 18 registros, seguido por outubro, com 16.

Em nível estadual, as áreas da 76ª DP (Niterói), 14ª DP (Leblon) e 10ª DP (Botafogo) ficaram no topo do número de registros dos furtos de “magrelas” no ano passado. Em setembro de 2016, A TRIBUNA divulgou reportagem onde de acordo com dados do ISP onde em 13 meses, Niterói e São Gonçalo registraram juntas 213 ocorrências de roubos e furtos de bikes (173 e 40 respectivamente), mas estes valores não refletem a realidade vivida nas ruas por ciclistas. Muitos acabam não realizando a comunicação por não terem documentos que comprovem a propriedade da “magrela”, outros por apenas acharem que seus bens não serão recuperados.

Com os casos apresentando altos e baixos e com os registros ainda não representando a realidade, o ciclista busca alternativas. Os sites são os mais procurados. Duas ferramentas podem ajudar a vítima de roubo e furto de bicicleta: são sites que orientam e registram casos (pedal.com.br e bicicletasroubadas.com.br). No caso do Pedal, há orientações sobre procedimentos para registros e como se deve proceder em caso de roubo e furto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × dois =