Cem dias de Governo

Wellington Serrano –
Anderson Carvalho –

O saldo apresentado pelas prefeituras da região nos 100 primeiros dias de governo – completados no dia 10 – foi positivo. A TRIBUNA levantou as principais ações das prefeituras de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Rio Bonito em diferentes setores das cidades desde o dia 1º de janeiro.

Analisando os indicadores de gestão, ganha destaque o volume de medidas tomadas pelo prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV), que logo no início de sua reeleição lançou metas para os primeiros 100 dias de seu novo mandato. Todo secretariado do verde assinou o pacto de gestão fiscal para a redução de despesas da administração pública com previsão de economia de R$ 31 milhões por ano.

Entre as ações de sua administração, Neves destaca em seu primeiro ato no segundo mandato a reabertura do Restaurante Cidadão Jorge Amado, no Centro, a ampliação do processo de desburocratização da máquina administrativa através do pregão eletrônico, a intensificação de campanhas contra a Dengue, o primeiro bicicletário coberto e o novo sistema de Nota Fiscal Eletrônica de Niterói (NitNota).

“Elaboramos este planejamento para garantir a realização de projetos e serviços importantes para a população mesmo nestes tempos difíceis e com a implantação de medidas de austeridade fiscal”, afirmou o prefeito Rodrigo Neves, destacando que não haverá cortes em nenhum programa social e nem aumento na alíquota de impostos.

Em São Gonçalo, o governo do prefeito José Luiz Nanci completa 100 dias com algumas vitórias diante dos desafios. Nanci pegou o município com uma dívida recorde de R$ 600 milhões, ruas abarrotadas de lixo e com salários dos servidores atrasados. O governo gonçalense organizou e executou ações emergenciais de limpeza na cidade e negociou o passivo herdado com os servidores que, hoje, estão com os salários em dia, após decisão traumática de parcelar o salário de dezembro.

Nanci orientou seus secretários e a Procuradoria a se aproximarem do Ministério Público e submeter ao órgão todos os contratos em aberto, assinados na gestão passada. Reavaliados e redimensionados os contratos, o governo conseguiu abater em média 30% dos valores devidos pela prefeitura às empresas. Outros contratos, como o caso da empresa de iluminação Compilar, foram cancelados, com indícios de superfaturamento.

A competência dos secretários Marlos Costa (Desenvolvimento Social) e Diego São Paio (Educação) também é um ponto a favor. Os dois fizeram uma devassa em suas pastas e ‘repatriaram’ recursos federais não utilizados por pura e simples incompetência dos governos passados. Politicamente Nanci segue paralisado em ações importantes, como é o caso das intervenções mais que aguardadas na mobilidade urbana.

A Prefeitura de Itaboraí efetuou o pagamento do 13º salário, que não foi pago pela antiga gestão. Nesta lista entraram os funcionários comissionados e os estatutários da Educação. Já o salário de dezembro foi pago em duas parcelas. Também foram renegociadas as contas atrasadas de luz, telefone e internet, além de resolução sobre os contratos e licitações.

Nos primeiros dias, o Hospital Municipal Desembargador Leal Júnior voltou às suas atividades normais, chegando a atender o dobro de pacientes comparando-se os meses de janeiro deste ano e dezembro de 2016. As Unidades de Saúde da Família, as Unidades Básica de Saúde e o Posto de Saúde Prefeito Milton Rodrigues Rocha também sofreram melhorias e as vacinas, que estavam irregulares, estão em fase de normalização.

As escolas municipais tiveram alimentação escolar regularizada. A Guarda Municipal tornou-se responsável pelo controle do trânsito. Os agentes passaram a receber um adicional de periculosidade de 30% no vencimento base. Foram feitas limpezas manuais em mais de 30 rios e canais no município. Diversas ruas da cidade tiveram melhorias, totalizando mais de 50 quilômetros de patrolamento, além das ruas que receberam massa asfáltica ou fresa de asfalto. Mais de 70 redes mistas, sendo de esgoto e águas pluviais foram recuperadas.

Em Maricá, as ações da prefeitura foram direcionadas para Educação, Saúde, Trânsito e cuidados com o município de forma geral. A construção do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara foi intensificada e mais de 70% das obras foram executadas. “Também temos dado um suporte forte na saúde básica, fortalecendo o atendimento prestado nos postos de saúde”, destaca o prefeito Fabiano Horta.

Na Educação, o convênio com o Instituto Federal Fluminense (IFF) foi renovado e as obras continuam a todo vapor. O município também iniciou a construção de unidades de Educação Infantil nos bairros Saco das Flores e em Santa Paula, das escolas de ensino fundamental nos bairros Marquês e Inoã, além do reajuste de 10% para os professores da rede municipal de ensino.

Foram intensificadas ações de limpeza de rios e canais; manutenção e conservação de ruas, praças e jardins; melhorias na sinalização viária, com instalações de rotatórias (Centro e Itaipuaçu), sistema binário, além de campanhas educativas para diminuir de forma considerável o número de acidentes no trânsito de Maricá.

Em Rio Bonito, mesmo com a aprovação alta perante a sociedade, o governo do prefeito José Luiz Alves Antunes (PP), o Mandiocão, teve início com erros ao decretar a calamidade financeira sem ter anunciado o valor real da dívida herdada do governo anterior, que era de R$ 71 milhões. Também nomeou parentes e, segundo o vereador Humberto Belgues, superfaturou a compra dos alimentos e foi acusado de cometer assédio moral contra os profissionais da educação, que seguem em greve no município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 1 =