Celebridade do carnaval luta pela vida em hospital público

Além dos problemas de saúde, sambista enfrenta dificuldades financeiras. Por falta de pagamento, plano de saúde está suspenso desde outubro

A fama, no meio artístico, nem sempre é acompanhada de requinte e glamour. E isso se comprova com a situação atualmente vivida por um dos artistas mais queridos e talentosos do mundo do samba e do Carnaval: Dominguinhos do Estácio, de 79 anos. Nome forte do samba carioca, Dominguinhos da Costa Ferreira (nome de batismo do sambista) segue na luta contra os problemas de saúde. Se já é seria de amplo conhecimento que o artista está internado desde o dia 11 de maio em estado considerado muito grave, estando, inclusive, intubado, o que causou espanto e estranheza foi a omissão, até esta reportagem, do fato de o artista estar internado no Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, sem previsão de alta.

Desde o Carnaval do ano passado, quando sofreu um infarto em plena Avenida Marquês de Sapucaí, que o sambista enfrenta uma dura batalha pela vida. Na ocasião, ele foi socorrido às pressas e precisou colocar dois stents no coração. Por isso, não pôde participar do Desfile das Campeãs. Ele faz parte da Viradouro, escola niteroiense e também atual campeã da elite do carnaval carioca. O vínculo com a agremiação segue valendo até o momento.

Ainda no ano passado, em outubro, o artista começou a ter problemas financeiros por causa da pandemia, que paralisou por completo toda a indústria do samba. A filha do sambista, a cabeleireira Ivana da Costa, de 60 anos, admite que o quadro de saúde do pai nunca mais foi o mesmo após o infarto. E que, por muito pouco, a situação da hemorragia cerebral não piorou por causa de uma situação que pegou a todos de surpresa: a suspensão do plano de saúde.

“Desde o infarto meu pai ficou com a saúde muito debilitada. Ele ficou muito tonto e tinha frequentes tombos o que lhe rendia alguns hematomas. Mas no dia 11 de maio ele levou um tombo mais grave e tivemos que levá-lo para o hospital. Foi nesse dia que descobri que ele estava sem plano de saúde pois os boletos estavam atrasados. Levamos ele para o hospital público e ele está internado lá e sendo bem tratado”, contou Ivana.

Ainda de acordo com a filha, a suspensão do plano aconteceu em outubro do ano passado por falta de pagamento. Ela explica que Dominguinhos “tem bens, mas não tem dinheiro” e ainda desabafa sobre o abandono que ele sofreu por parte de muita gente que se dizia próxima do cantor. Além disso, reconhece que o pai não soube administrar o que conquistou ao longo dos anos de dedicação ao samba.

“Meu pai estava para receber um dinheiro de direitos autorais de uma música que estava sendo tocada em Portugal, mas isso não aconteceu. Ele tem bens, mas não tem dinheiro. Isso é fruto de uma má administração financeira mesmo e uma baixa aposentadoria. Quando ele estava no sucesso tinha muitos amigos e agora quando precisa, são poucos. Depois de ter condição boa e prestígio a situação está complicada. A pessoa só vale enquanto tem e a ajuda vem de poucos. A direção da Viradouro ajuda ele quando ele precisa, e somos gratos a isso, mas a situação é grave”, queixa-se a filha.

Ivana revela que o visitou na última segunda-feira (24) e percebeu uma tentativa de interação dele, embora estivesse sedado. Sobre o futuro, ela prefere esperar uma melhora no quadro clínico pra saber o que será feito sobre o plano de saúde.

“Eu estive ontem (segunda) visitando ele. Ele estava sedado, mas conversei muito. Senti que ele piscava, forçando os olhos. Quero o bem para o meu pai, assim que ele tiver alta e voltar para casa acredito que vou precisar de ajuda para, pelo menos, ver como vai ficar a situação do plano de saúde dele”, admitiu a filha do primeiro casamento.

Dominguinhos leva a Estácio de Sá no nome, no coração e na história. Mas tem passagens marcantes por outras escolas de samba. Ao longo da carreira, conquistou cinco carnavais. Três títulos pela Imperatriz Leopoldinense (1980, 1981 e 1989), um pela Estácio de Sá (1992) e um pela Viradouro (1997). Na vermelha e branca de Niterói, além de intérprete, também era um dos autores do samba que deu o primeiro campeonato à escola, onde foi a voz oficial até o carnaval de 2007.

Nos 11 carnavais em que foi a voz oficial da Viradouro, a escola marcou presença 10 vezes no Desfile das Campeãs. Nesse período, além do samba campeão, ele participou da composição de mais 2 sambas que a Viradouro levou pra avenida.

Dominguinhos do Estácio também foi vencedor, como compositor, na Estácio de Sá e na Imperatriz Leopoldinense. Atualmente, está participando da disputa de samba-enredo da Viradouro para o carnaval de 2022. O artista já lançou quatro discos e participou de um grupo denominado Puxadores do Samba, que era composto pelo falecido Jackson Martins, Preto Jóia, Serginho do Porto e Wantuir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − 4 =