CCR Barcas informa que serviço pode chegar ao colapso

A concessionária CCR Barcas, que administra o transporte aquático de alta capacidade no Rio, informou que o serviço pode entrar em colapso, já que durante a pandemia o movimento de passageiros por dia despencou de 75 mil para 11,5 mil, o que significa queda na demanda de 85%.

De acordo com a concessionária, está previsto para esse ano um prejuízo de cerca de R$ 150 milhões, se não ocorrer uma ajuda financeira. De acordo com João Daniel Marques, diretor-presidente da CCR Barcas, quanto a questão do caixa, a concessionária pode ter problemas a partir do mês que vem. As concessionárias aguardam um projeto de lei da Câmara dos Deputados, em Brasília, que prevê um socorro de R$ 4 bilhões do Governo Federal a empresas de transporte coletivo de cidades com mais de 300 mil habitantes.

Segundo a CCR Barcas, na linha Arariboia (Niterói- Rio-Niterói), houve uma queda de 86% na demanda de passageiros, de uma média diária de 65 mil para 9 mil. A linha Charitas está fechada, por conta do Decreto do Governo do Estado para o combate ao coronavírus. O diretor-presidente da concessionária, João Daniel Marques, afirmou que a pandemia trouxe impacto ao setor de transportes e que algumas linhas podem ter problemas.

“A pandemia trouxe um impacto a toda sociedade e o setor de transportes também não ficou imune a isso. Então existe sim um risco de paralisação, de colapso do sistema, algumas linhas podem sofrer realmente algumas avarias ao longo do período”.

Captação de recursos

Em nota sobre ao assunto a concessionária informou:

“A CCR Barcas informa que devido à pandemia houve uma queda de 85% na demanda de passageiros – de uma média diária de 75 mil para 11,5 mil. Na linha Cocotá, por exemplo, somente 200 passageiros são transportados por dia, o que representa apenas 13% de ocupação das vagas oferecidas. A Concessionária acrescenta que é fundamental a captação de recursos para que o pedido de socorro da área de transporte do Rio de Janeiro seja atendido, já que o setor se encontra em grave situação financeira e com grandes dificuldades para a manutenção dos serviços”.

Gestor do Contrato de Concessão da CCR Barcas, Tiago Terra, afirmou que mesmo com algumas otimizações operacionais, a diferença entre receitas e custos da Concessionária chega a R$ 10 milhões por mês.

“É fundamental a captação de recursos para que o pedido de socorro da área de transporte do Rio de Janeiro seja atendido, já que o setor se encontra em grave situação financeira e com grandes dificuldades para a manutenção dos serviços”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 15 =