Casos de conjuntivite também aparecem no Inverno

Raquel Morais –

Quem acha que somente no verão aparecem doenças como a conjuntivite, na estação mais fria do ano também são registrados muitos casos desses. Diferente de São Paulo, que está com surto da doença, Niterói também tem casos, mas não há motivos para alarmes. Especialistas confirmam a incidência da conjuntivite principalmente pela maior permanência em ambientes fechados, por conta do frio. Porém Secretaria Estadual de Saúde não divulgou quantidade de casos, pela doença não ser de notificação obrigatória.

O médico Daniel Simões, oftalmologista especialista em Córnea e Catarata Refrativa do Hospital Oftalmológico Santa Beatriz, no Fonseca, desconhece surto na cidade, mas explicou o aparecimento da doença mesmo no inverno. “Em épocas de temperaturas baixas as pessoas entram mais em contato corporal, ficam mais juntas, não fazem atividades ao ar livre e focam em reuniões mais em casas fechadas. Isso facilita a transmissão de doenças que podem ser passadas pelo contato físico ou pelo ar, como é o caso da conjuntivite”, comentou. A doença é considerada branda e auto limitada, sendo a mais comum de forma viral, mas também pode ser bacteriana, o que é mais difícil de tratar. “Tudo depende da agressividade do vírus e do organismo da pessoa afetada”, completou.

A oftamologista Ana Christina Cabral Rodrigues explicou que a doença é uma inflamação da conjuntiva, que reveste o globo ocular, e geralmente ataca os dois olhos, sem deixar sequelas. “Pode ser causada por reações alérgicas e químicas. Os sinais são visíveis como a vermelhidão do olho pela dilatação dos vasos sanguíneos locais, edema que é inchaço do olho ou pálpebras devido acúmulo de líquido no local, aumento do lacrimejamento com secreção purulenta. Mas o pior é o ardor e a sensação de ter areia nos olhos”, comentou.

O advogado Rafael Braga, 39 anos, morador de Icaraí, já teve conjuntivite crônica, e ficou com uma pequena sequela. “Um caroço na vista por conta da pressão ocular que aumentou. É uma doença chata, que tem que evitar contato com pessoas, ficar de repouso e faltar o trabalho, por exemplo. Quando começam essas notícias eu já fico com receio de ter de novo, uso soro para lavar a vista e evito contato com quem tenha a doença”, resumiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *