Caso de sarampo em Niterói foi confirmado pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou um caso de sarampo em Niterói, com amostra analisada pela Fiocruz, referência do Ministério da Saúde. Na última quinta, 19, a pasta tinha confirmado sete casos da doença e em cinco dias o número dobrou para 14. O medo de contrair a doença fez os niteroienses correrem para os postos de saúde em busca da imunização, através da tríplice viral e da tetra viral. O aumento na aplicação das doses desabasteceu a rede antes mesmo do início da Campanha Nacional de Vacinação, prevista para ser realizada entre 6 e 31 de agosto, com dia D para 18. Em muitas salas de vacinação de Niterói não estão mais aplicando a vacina que está sem previsão de nova remessa.

De acordo com o Ministério da Saúde a meta de vacinação contra o sarampo é de 95%. Em 2017, dados preliminares apontam que a cobertura no Brasil foi de 85,21% na primeira dose (tríplice viral) e de 69,95% na segunda dose (tetra viral). A primeira protege contra sarampo, rubéola e caxumba e a segunda seria contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela, ambas parte do Calendário Nacional de Vacinação.

Na Policlínica Regional Norte II Dr. Renato Silva, na Engenhoca, na Unidade Básica Centro Dr. Eduardo Imbassay, no Centro, na Policlínica Regional Carlos Antônio da Silva, no Centro, Unidade Básica de Saúde Santa Bárbara, em Santa Bárbara, e na Policlínica Regional Dr. Sérgio Arouca, no Vital Brazil, a equipe de A TRIBUNA não encontrou mais a vacina. Porém, nesse último, durante a reportagem por volta das 11h, uma remessa com algumas doses chegou e cerca de 50 pessoas formaram uma fila para receber a dose. A quantidade não foi informada, mas às 15h, após contato telefônico com a unidade, as doses já tinham acabado.

A esteticista Camila Nery 32 anos, foi uma das sortudas que conseguiu a imunização. “Acho que tem que tomar a vacina e não ter medo. Na verdade eu não sei se tomei quando era criança e pela dúvida eu tomei de novo. Aproveitei e trouxe minha filha mais velha junto comigo”, comentou. Já a auxiliar de serviços gerais Nilza Lisboa, 37 anos, esteve no posto do Centro de Niterói para vacinar sua neta e não conseguiu aproveitar e se vacinar contra o sarampo. “É uma pena pois estou ajudando minha filha com o neném e não posso ficar toda hora indo na rua. Se eu pudesse me vacinava logo, mas agora vou esperar chegar a vacina no posto”, concluiu.

Podem tomar a vacina crianças de até um ano e adultos de até 49 anos que não tenham sido imunizados. “A única maneira de evitar o sarampo é por meio de vacinação. As doses já fazem parte do calendário do Ministério da Saúde há muitos anos. A vacina Tríplice Viral protege não só contra o sarampo, mas também caxumba e rubéola e está disponível a qualquer época do ano nos postos públicos de saúde dos municípios. Quem não se lembra se tomou a vacina ou não devem procurar um posto de vacinação para avaliar a necessidade de se proteger contra o sarampo com a vacina”, explicou Alexandre Chieppe, médico da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

A Fundação Municipal de Saúde informou que em julho houve aumento na procura pela vacina contra o sarampo e, por isso, o órgão solicitou à Secretaria de Estado de Saúde mais doses da imunização para atender a demanda. A FMS garantiu que todas as unidades de saúde estão abastecidas. A expectativa do órgão é vacinar em torno de 25 mil crianças durante a campanha de vacinação, que acontecerá de 6 a 31 de agosto.

DADOS DO RIO DE JANEIRO
Foram confirmados pela SES 14 casos de sarampo no estado (11 na cidade do Rio, dois em Duque de Caxias e um em Niterói). Os sete casos do dia 19 estavam relacionados com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e os materiais foram analisados pela Fiocruz. No dia 3 de julho foi feita uma vacinação de bloqueio no campus da universidade. Mas na tarde de ontem o número dobrou para os 14.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × cinco =