Carteiros de São Gonçalo ameaçam parar no fim do mês

Raquel Morais –

O problema é antigo e mais uma vez os funcionários dos Correios ameaçam entrar em greve no próximo dia 30. Os trabalhadores do Centro de Distribuição Domiciliar (CDD), no Colubandê, participaram na manhã de ontem de uma assembleia com os representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro (Sintect-RJ). Na reunião foi montada uma ata com as reivindicações dos trabalhadores, que será entregue para a direção dos Correios, que terão até a próxima segunda-feira para solucionarem as questões.

A categoria explicou que passa por muitos problemas estruturais, os quais dificultam a execução do trabalho, que tem sido realizado de forma precária. Falta de iluminação adequada, de água, desnível nos pisos, goteiras, falta de saneamento básico nos banheiros e nos refeitórios foram alguns problemas expostos pelo Sintect-RJ. “Agora vamos ter que aguardar a direção de pronunciar. Caso eles não resolvam essas questões, os funcionários vão entrar em greve”, resumiu o secretário do sindicato, André Messias.

E não são só funcionários que se queixam dos Correios. O empresário Ronie Savioli, de 41 anos, mora na Rua Ermínio Cardoso, no Colubandê, e já enfrentou problema com atrasos de correspondências dezenas de vezes. “As cartas não chegam na nossa casa e isso acontece desde ano passado. Quando é uma conta com vencimento para pagar isso é péssimo. E quando chega, chega atrasada. Tenho que entrar na internet para imprimir a segunda via. E se eu não tiver internet em casa? E se eu não tiver impressora em casa?”, indagou.

O problema pode ser maior quando se trata de encomenda. A assistente administrativa Monique Pimentel, de 24 anos, já desistiu de esperar suas encomendas em casa e vai direto ao posto de distribuição dos Correios, na Rua Capitão Juvenal Figueiredo, no mesmo bairro. “Compro tudo pela internet e deixo acumular para gastar uma passagem só e buscar tudo. Isso é um abuso com a gente, eu pago o frete e não recebo minha mercadoria em casa”, reclamou.

Em nota, os Correios informaram que os problemas estruturais ocorridos no CDD Colubandê já foram solucionados e a unidade está operando normalmente. Foi realizada uma assembleia que deliberou sobre estado de greve e uma possível paralisação em São Gonçalo. No dia 30 de abril haverá uma reunião entre representantes da empresa e trabalhadores para tratar de assuntos diversos, como ambiente físico e condições de trabalho do Centro de Tratamento de Encomendas (CTE) de São Gonçalo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 18 =