Canal do Itajuru será desassoreado

A Coordenadoria do Meio Ambiente da Secretaria de Desenvolvimento da Cidade concluiu os estudos para o desassoreamento do Canal do Itajuru, em Cabo Frio. Essa intervenção é uma reivindicação antiga dos ambientalistas e vai impactar positivamente no meio ambiente de todos os municípios banhados pela Lagoa de Araruama, que é alimentada pelo canal do Itajuru.

O estudo apontou os locais mais críticos e definiu as áreas prioritárias para o desassoreamento, que ficam no entorno da Ilha do Japonês; na entrada do Canal do Itajuru; no terminal de barcos, entre os bairros da Passagem e São Bento; na área localizada em frente ao Clube Costa Azul; todo entorno da Ilha do Anjo e na Ponta do Ambrósio.

Segundo o estudo, que já tem, inclusive, os relatórios EIA/Rima (Estudo de Impactos Ambientais e Relatório de Impacto Ambiental), cerca de duzentos mil metros cúbicos de material precisam ser retirados para melhorar o fluxo no canal. A remoção desse material será feita por dragagem, até que a profundidade média do Canal fique em dois metros, em condições de maré zero, ou seja, na maré vazante.

“Esta será uma obra de grande porte e trará benefícios imensos tanto para o meio ambiente quanto para a economia da cidade, uma vez que deixará o Canal do Itajuru totalmente navegável e desobstruído, ao mesmo tempo em que aumentará o fluxo de água marinha para toda a Lagoa de Araruama. O material retirado será acumulado nas áreas das antigas salinas e aproveitado para a recuperação das praias do sistema lagunar”, explicou o coordenador de Meio Ambiente, Mario Flavio Moreira.

As obras de desassoreamento ainda não têm data prevista para ser iniciadas, pois a Coordenadoria do Meio Ambiente está resolvendo o assunto com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Agência Nacional de Águas.

A Lagoa de Araruama vem sofrendo várias intervenções que resultaram em seu assoreamento e chegaram, inclusive, a provocar a “morte” da Lagoa, ou seja, impediram a proliferação da fauna e da flora. Após esse desastre, várias ações pontuais e o tratamento do esgoto vêm recuperando o ecossistema d a Lagoa, mas ainda restam locais bastante assoreados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =