Campanha destaca diagnóstico precoce para evitar glaucoma

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) lançaram na segunda-feira (3) a campanha nacional “24 Horas pelo Glaucoma”, cujo objetivo é conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce do glaucoma. Essa é uma doença que provoca a atrofia do nervo óptico, responsável por conectar o olho ao cérebro, interrompendo, assim, a transmissão dos sinais entre esses dois órgãos e levando à cegueira. No geral, a doença ocorre devido ao aumento da pressão intraocular. Trata-se de um processo lento, que pode progredir durante anos, até o aparecimento dos primeiros sintomas, informou o presidente do CBO, José Beniz Neto.

O ponto alto da campanha ocorrerá no dia 22 deste mês, antes da celebração do Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, comemorado a 26 de maio, com a realização de uma maratona nas redes sociais. O vice-presidente do CBO, Cristiano Caixeta, disse que no canal do CBO no You Tube, haverá em torno de oito módulos com debates relevantes para a população, sobre uso de medicamentos, regulação, acesso à saúde em função da avaliação do glaucoma, onde conseguir exames, entre outros temas.

Além disso, haverá dez salas de atendimento para a população com horário marcado, onde as pessoas poderão agendar sua teleorientação no período de 9h as 18h. Em salas privadas, as pessoas poderão conversar com médicos oftalmologistas e tirar dúvidas sobre o glaucoma. O evento conta com o apoio de várias entidades médicas e da sociedade civil, bem como de personalidades, como o ator Tony Ramos, os compositores Carlinhos Brown e Renato Teixeira, o jogador da seleção de vôlei Lucão, entre muitos outros. “Isso ajuda muito a população, quando ouve uma pessoa pública falar”.

Cegueira evitável

O glaucoma é a principal causa de cegueira evitável no mundo, observou Cristiano Caixeta. “A partir do momento em que você consegue trabalhar ou diagnosticar precocemente o indivíduo, você evita que esse paciente evolua para cegueira”. O ideal é conseguir diagnosticar a doença na atenção primária ou na atenção básica, porque o paciente não perderá a visão e terá um tratamento adequado pela equipe de oftalmologia”. Segundo Caixeta, há perto de 1,5 milhão de pessoas com glaucoma no Brasil, “fora a quantidade de pessoas não diagnosticadas”. No mundo, estima-se que em 2020 havia 80 milhões de pessoas com diagnóstico de glaucoma. Projeção da Associação Internacional de Prevenção da Cegueira (IAPB, do nome em inglês) indica que o total de pacientes com glaucoma em todo o mundo chegará a 111,8 milhões, em 2.040, disse o oftalmologista, que é chefe desse serviço na Santa Casa de São Paulo.

A longevidade e o envelhecimento da população são fatores de risco para o glaucoma. A doença acomete, principalmente, pessoas acima de 40 anos de idade. “Quando a gente entende que acima dos 40 anos eu tenho 2% da população com glaucoma e quando tenho uma população de 70 anos essa incidência é de 8%, é fácil observar que a idade é um fator de risco importante para essa doença”, observou Cristiano Caixeta.

O médico destacou que quando se tem um parente de primeiro grau com glaucoma, a chance de uma pessoa desenvolver a doença é de sete a dez vezes maior do que uma pessoa que não teve ninguém na família diagnosticado com glaucoma. Por isso, Cristiano Caixeta destacou que é importante orientar a população para que não tenha medo e procure seu médico. “Na consulta, a pessoa deve informar ao oftalmologista que seu parente teve glaucoma”. O especialista vai medir a pressão ocular, fazer exame de fundo de olho e “cuidar com carinho” porque, na fase inicial, é muito fácil tratar a doença de forma correta. “A gente consegue controlar bem o glaucoma”. Reiterou que indo ao oftalmologista periodicamente, a pessoa diminui bastante o risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − seis =