Campanha de adoção em Maricá salva animais abandonados

A Coordenadoria de Proteção Animal de Maricá realizou no domingo (23) a primeira campanha de adoção de animais de 2021. Ao todos foram 29 animais adotados entre cães e gatos que haviam sidos abandonados na cidade e resgatados das ruas por protetores e colocados para adoção. Todos eles estavam vermifugados e vacinados antes de serem postos para receberem um novo lar.

A ação foi feita respeitando todos os protocolos sanitários de enfrentamento à Covid-19 como distanciamento entre as pessoas, disponibilização de álcool em gel, aferição da temperatura corporal ao entrar no espaço destinado à feira, além de ser proibido acariciar os animais.

“Estamos fazendo a campanha de adoção de cães e gatos em parceria com o empreendimento novo na cidade, nesse espaço onde as protetoras da nossa cidade fazem um trabalho cooperativo com o governo na situação de resgatar os animais, tirar das ruas e dar dignidade. É uma ação muito importante para o nosso município onde ganham os bichinhos, as protetoras e as famílias que estão com um novo amigo no seu lar”, disse o coordenador da pasta, Fabiano Novaes.

Para os que se interessaram em adotar um pet, foi necessário preencher um termo de responsabilidade preparado pelos técnicos da coordenadoria, que fizeram uma triagem no local para saber se a pessoa tem condição adequada de dar um lar responsável para os bichinhos.

“A pessoa preenche toda a documentação, faz um cadastro e assina um termo de responsabilidade. Depois disso, ela pode levar o bichinho para fazer o vermífugo e as vacinas pela coordenadoria e nós já o incluímos no Programa Municipal de Controle Reprodutivo”, explicou Novaes.

Durante a exposição, Novaes alertou sobre os casos de maus-tratos e informou quais são os procedimentos adotados pela recém-criada central de denúncias da coordenadoria.

“As pessoas entram em contato através do número do WhatsApp 99546-0304 e pedimos, preferencialmente, que nos encaminhem foto, endereço e cite o relato. Temos uma equipe que abre o processo, vai até o local, verifica o fato e trazemos essa pessoa até a nossa sede para fazer um trabalho de orientação. Caso persista a prática dos maus-tratos, oferecemos denúncia ao Ministério Público para que se tome as medidas cabíveis”, informou.

Quem foi conferir a primeira edição e levou um novo “amigo” para casa foi a funcionária pública Monique Veiga, de 41 anos.

“Estou levando porque gosto de animal. Nessa pandemia está fazendo muita falta uma companhia e estou me sentindo sozinha. Tenho dois gatinhos em casa que me ajudaram muito a superar a depressão que eu tinha. Agora resolvi adotar o cachorrinho para poder me ajudar também”, relatou.

Outro que não perdeu a oportunidade foi o estudante Juan de Marchi Cataldo, de 22 anos, que levou um gatinho para fazer companhia, já que sua gata falecera no ano passado por problemas ocasionados pela idade avançada.

“Acho uma iniciativa excelente, principalmente na situação de pandemia que estamos vivendo, em que muitas pessoas se sentem solitárias por não poderem conviver socialmente por causa do isolamento. Acho que adotar um bichinho é a melhor solução. Ter alguém para dar e receber amor”, afirmou.

Ao longo do dia, algumas pessoas solicitaram informações sobre como participar da feira de adoção. É importante frisar que todos aqueles que desejam doar um animal podem participar da feira, desde que entrem em contato antecipadamente com a Coordenadoria de Proteção Animal para que o pet seja vermifugado e vacinado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.