Câmara finaliza audiências que discutem Plano Diretor

Com as galerias do plenário lotadas, os vereadores de Niterói receberam na noite desta segunda-feira (02) cerca de 400 manifestantes, entre autoridades e ativistas que buscavam pleitear suas demandas a serem incorporadas ao novo Plano Diretor 2018, que é o principal instrumento de regularização urbanística da cidade.

De acordo com Bruno Lessa, presidente da Comissão de Meio Ambiente, todas as demandas foram consolidadas e serão transformadas em emendas parlamentares a serem apresentadas e votadas no projeto do plano. Ele copresidiu a sessão com Atratino Cortes (PMDB), presidente da Comissão de Urbanismo.

“A participação de todos foi importante para a construção de sugestões que chegaram à Câmara. A audiência é uma demonstração que a Câmara quer ouvir a população. O debate não se encerra estaremos ouvindo os cidadãos que querem ajudar o Plano Diretor, que é uma Lei que estabelece diretrizes nos próximos 15 anos na cidade”, explicou Lessa.

O processo das audiências públicas do Plano Diretor, que se encerrou nesta segunda, foi elogiado pelo vereador Leandro Portugal (PV). “O governo teve coragem de enfrentar essa discussão histórica na nossa cidade, por que o plano diretor tem que entender a cidade com suas micro e macrorregiões, que são distintas e precisam de tratamentos iguais para terem os seus problemas resolvidos”, disse.

O secretário de Urbanismo, Renato Barandier, ressaltou a revisão histórica do Plano Diretor. “Com 15 anos de atraso o Executivo traz o assunto e num esforço conjunto para que todas as 12 audiências acontecessem mais próximo dos moradores”, realçou.

MANIFESTAÇÕES
Enquanto a audiência do Plano Diretor se desenrolava, nas galerias superiores grupos de docentes e estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo, junto com Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Universidade Federal Fluminense (Sintuff), protestaram contra a privatização do Morro do Gragoatá. Moradores e ambientalistas da Praia de Itaipu também marcaram presença cobrando o assoreamento da Lagoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =