Busca por atividades físicas cresceu 38 vezes nos últimos seis anos

Raquel Morais

Uma pesquisa realizada pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) apontou um aumento no número de pessoas que procuram atividades físicas. O crescimento foi de 38 vezes quando comparado 2009 a 2015. Este ano esse número já cresceu 17 vezes. Apesar da perspectiva positiva, também na avaliação do Conselho Federal de Educação Física (Confef), a entidade federal acredita que esse maior interesse é de forma pouco consistente. Isso pode justificar um levantamento feito pelo Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região (CREF1) que apontou 50% da população do Rio de Janeiro e Espírito Santo está obesa.

O levantamento feito pelo Sesc apontou que os novos praticantes de atividades físicas somam 18,36%, em 2009, para 22,6% em 2015, e para 23,46%, no acumulado janeiro/ agosto deste ano. “A gente percebe um interesse maior, mas ainda de forma pouco consistente”, comentou Jorge Steinhilber, presidente do Confef.

O jogador de futebol Jorge Felipe, de 27 anos, é morador de São Gonçalo e nem em seu RAQUEL MORAIS dia de folga ele deixa de praticar exercícios. “Faço circuito e musculação. A minha alimentação é regrada, apesar de não ter tendência para engordar, mas tenho preocupação com a saúde. Também fico no pé da minha esposa”, brincou. O professor de educação física George Medeiros, de 34 anos, faz todas as atividades que o amigo e ainda é professor de jiu-jitsu. “Evito frituras e açúcar em excesso. Acho que cuidar da saúde melhora em tudo desde o sono até o dia-adia”, finalizou.

Já dados da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) em conjunto com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) apontam que no Brasil (2013), quase 60% da população tem excesso de peso – na faixa de sobrepeso e obesidade, segundo nota. Ainda de acordo com o informe além de reduzir a qualidade de vida, a obesidade pode predispor a doenças como diabetes, doenças cardiovasculares, asma, gordura no fígado e alguns tipos de câncer. Para pensar o problema no próximo dia 11 é celebrado o Dia Mundial da Obesidade.

Brasil é o quinto maior mercado de alimentação saudável
A alimentação saudável caiu de vez no gosto do brasileiro e pesquisas apontam que o país está em quinto lugar nesse ranking. Esse segmento de mercado cresceu 98% de 2009 a 2014 e esse índice deve estar ainda maior em 2016, segundo a agência americana Euromonitor. Empresários do setor em Niterói reconhecem o aumento dessa demanda na cidade e apostam de lojas de grãos até restaurantes especializados em uma comida mais orgânica.

A pesquisa apontou ainda que esse mercado movimentou US$ 27,5 bilhões em 2015 e prevê até 2020 crescimento expansivo principalmente com produtos diversificados. Diet, light, zero lactose, zero sódio, livres de glúten e integrais são alguns exemplos desses alimentos que estão agradando os niteroienses que estão em busca de melhor alimentação alidada ao bem-estar.

Comida Saudável

Dona do Armazém 106 Gourmet, especializado em consumo consciente no Centro de Niterói, Karla Soares, percebeu aumento na demanda por alimentos diferenciados em cerca de 50%, desde quando aumentou o negócio. “Começamos com uma loja de grãos vendidos por peso e conseguimos expandir para refeições gourmet pela demanda, que procurava uma alimentação balanceada. Trabalhamos com sal do himalaia, óleo de coco, sem conservantes e gordura e nada industrializado”, apontou.

Mas não precisa ir muito além para conseguir o equilíbrio alimentar. O aumento do consumo de legumes, frutas e verduras é o primeiro passo para mudança de estilo de vida. A nutricionista Alessandra Luglio explicou que a ingestão diária de uma porção de leguminosas, por exemplo, é importante numa dieta balanceada. “As leguminosas são pobres em gordura saturada, ricas em fibra e possuem proteínas importantes para o corpo humano. Além disso, este grupo alimentar tem baixo índice glicêmico, o que indica mais saciedade”, explicou.

O empresário Sol Yonn Escobar, de 29 anos, mudou os hábitos alimentares há cerca de um ano, após um exame de sangue. “Minha glicose apareceu alterada e o médico disse para eu maneirar na alimentação. Estou mantendo isso há um ano e os benefícios são sentidos diariamente. Aumentei consumo de saladas, carnes magras e evito o refrigerante”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *