Bolsonaro abaixa o tom e afirma não querer agredir “quaisquer dos Poderes”

O presidente também afirmou, em nota, que as declarações “contundentes decorreram do calor do momento”

Após a série de declarações dadas contra o Poder Judiciário, em especial contra o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, responsável pela investigação do inquérito das fake News, o presidente da República Jair Bolsonaro adotou um tom mais ameno em nota divulgada nesta quinta-feira (9).

Afirmando que nunca teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes”, Bolsonaro explicou que as declarações proferidas em discurso na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo, no dia 7 de setembro, “decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”.

Dividida em dez tópicos, o comunicado traz uma declaração sincera de Bolsonaro, que admite que “boa parte” das divergências entre ele e Moraes “decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake News”.

Ele chega a dar uma provocada no ministro quando afirma que “na vida pública as pessoas que exercem o poder não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”. Mas volta a atribuir essa discussão como “naturais divergências” e até enaltece brevemente as “qualidades” de Moraes como “ jurista e professor”.

“Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.  Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil”, encerrou Bolsonaro.

Vice-presidente da Câmara afirma esperar que declaração não seja “palavras ao vento”

Após a nota divulgada por Bolsonaro, o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), vice-presidente da Câmara, publicou no Twitter que não iria julgar o que motivou Bolsonaro a fazer e divulgar a nota. Mas alegou que espera que as declarações recentes não sejam apenas mais um recuo estratégico do presidente.

“Não julgarei as motivações do presidente pra emitir a Nota Oficial em que pede desculpas e tenta uma pacificação. Há um país real muito sofrido esperando capacidade de enfrentar o desemprego, a fome e a inflação. Se o recuo do presidente servir a esses objetivos, vamos em frente. Que não sejam só palavras jogadas ao vento, como foram as últimas vezes e que não sirva para apagar todos os crimes cometidos até aqui”, publicou Ramos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − 1 =