Boatos sobre morte de Schumaker agitam redes sociais

Augusto Aguiar –

Há pelo menos duas semanas, policiais civis e militares de São Gonçalo estão às voltas com vários informes dando conta de que o criminoso mais procurado da cidade, considerado um dos mais perigosos do Estado, Schumaker Antonácio do Rosário, o Schumaker, chefe do tráfico no Jardim Catarina, estaria ferido ou morto. Ao menos duas vezes os agentes se mobilizaram para checar os boatos que chegaram via telefone e redes sociais. Até a tarde de ontem nada foi constatado em relação ao homem apontado como líder dos pontos de venda de drogas no bairro Jardim Catarina. De acordo com o Disque-Denúncia, desde 1º de julho foram cadastradas 12 denúncias envolvendo o criminoso.

Entre o fim da manhã e a tarde de segunda-feira (16), em mais uma onda de boatos, policiais e até curiosos foram até o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, onde boatos davam conta de que o criminoso teria dado entrada baleado e teria morrido. Atualmente, há uma recompensa de R$ 20 mil para quem repassar o paradeiro do bandido.

No entanto, nada foi confirmado. A direção do hospital negou que Schumaker tenha passado pela unidade. De acordo com informações das redes sociais, Schumaker teria sido baleado e, muito ferido, estava num imóvel no Complexo do Salgueiro, onde era tratado por um suposto casal de enfermeiros. Esse teria sido um dos primeiros informes, que levou a polícia a realizar uma checagem sem confirmação.

Porém, no fim da manhã de segunda-feira, em meio a uma megaoperação das Forças de Segurança em São Gonçalo, os boatos voltaram à tona. Dessa vez, em razão dos graves ferimentos que Schumaker apresentava, teria sido levado para o Heat, onde morrera depois de dar entrada na unidade. Mais uma vez a informação foi negada pelo hospital.

Prêmio por mortes de policiais – Em março desse ano, dias depois de uma grande operação das Forças de Segurança no Jardim Catarina, o Portal dos Procurados do Disque Denuncia aumentou de R$ 5 mil para R$ 20 mil a recompensa por informações que levem à prisão de Schumaker. A quadrilha do traficante, conhecida como “Bonde do Schumaker”, é acusada de tráfico de drogas, assaltos e homicídios. Em fevereiro de 2017, por exemplo, o traficante chegou a oferecer recompensa de R$ 5 mil por cada policial morto na região. Entre as mortes atribuídas ao criminoso está a de um soldado da PM em junho de 2014, ocorrida no Jardim Catarina. A vítima era lotada no Batalhão de Choque (BPChoq).
Em 2016, após traficantes de sua quadrilha serem flagrados por uma câmera circulando fortemente armados pela Avenida Albino Imparato, principal via do Jardim Catarina, Schumaker teria ordenado a retirada de todos os dispositivos de segurança da área externa das casas e comércios do bairro, além da ordem de erguer barreiras para dificultar a ação da polícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 + 6 =