Boa expectativa para o Comperj só em meados de 2019

Wellington Serrano

A tão aguardada seleção de mão de obra para trabalhar nas obras da Unidade de Processamento de Gás Natura (UPGN), da Petrobras, em Itaboraí, vai acontecer por meio de cadastramento no Sistema Nacional de Emprego (Sine) e no Sindicato dos Trabalhadores Empregados nas Empresas de Montagem Industrial (Sitramon), ambos de Itaboraí, segundo a empresa responsável pela retomada da obra, a Kerui Método.

Segundo a empresa, a maioria das vagas serão geradas em meados de 2019, quando a obra deverá atingir seu pico (número de empregados pode chegar a 2 mil). Até o fim 2018, a previsão é de, no máximo, 550 novas vagas. Isso ocorre porque o início do projeto envolve apenas a preparação do canteiro e avaliação dos equipamentos que já estão no local, atividades que não exigem grande contingente de mão-de-obra.

O projeto Petrobras Rota 3 consiste em um conjunto de dutos, gasodutos e a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) no Comperj. O empreendimento, que está em fase inicial, começará a intensificar a etapa de contratações de mão de obra local no fim deste ano, conforme o avanço de cada etapa de obras. A fase de pico em contratações diretas será de 5 mil empregos em 2019, segundo a Petrobras, chegando a 20 mil contratações diretas e indiretas nesse período. O início de operação do Rota 3 será em 2020.

A Unidade de Processamento de Gás Natural do Comperj terá a maior capacidade instalada de processamento de gás do País. Serão 21 milhões de metros cúbicos de gás sendo escoados diariamente, associado à produção de petróleo do Pré-Sal da Bacia de Santos. Para se ter uma ideia, os Rotas I e II, juntos, escoam 23 milhões diariamente. Com as três unidades em operação, serão 44 milhões.

Em nota, a Kerui Método reforçou seu compromisso de realizar o máximo de contratações na região, seguindo pedidos do prefeito de Itaboraí, Dr. Sadinoel, que quer a qualificação vinda da cidade.

“Estamos trabalhando nos distritos da cidade e nas reuniões e já informo aos trabalhadores que eles serão utilizados na mão de obra local. Vai ser primordial para que Itaboraí venha a alocar tantos trabalhadores que ficaram desempregados depois da paralisação das obras em 2014”, salientou o prefeito.

Segundo a Petrobras, os municípios que receberão novas etapas de obras ainda no segundo semestre são Itaboraí, Maricá e Cachoeiras de Macacu. Além de um sistema de dutos, que inclui um gasoduto de aproximadamente 307 quilômetros em seu trecho marítimo, também está entre as principais obras do Rota 3 uma unidade de processamento de gás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *