Boa Esperança: após dois meses, famílias ainda estão sem casa

Raquel Morais –

As vítimas do deslizamento do Morro da Boa Esperança, em Piratininga na Região Oceânica, ainda estão no aguardo dos apartamentos prometidos pela Prefeitura de Niterói. O empreendimento Vivendas do Fonseca, no bairro de mesmo nome, na Zona Norte, ainda não está pronto e não tem data prevista para entrega das chaves pelo poder público. A Associação de Moradores do Morro da Boa Esperança também não tem nenhuma novidade sobre os novos imóveis, e a presidente diz que vai cobrar das autoridades uma posição sobre o assunto.

O desmoronamento de um maciço na parte alta do Morro da Boa Esperança matou 15 pessoas e deixou 22 famílias desalojadas. A presidente da associação Leandra Neves, 45 anos, disse que as pessoas estão cobrando uma resposta pública sobre a entrega das chaves.

“Eles querem morar no que é deles e eu não sei o que responder. Essa semana vou cobrar da Prefeitura essa questão”, contou. A auxiliar de creche Raquel Caetano, 27 anos, tia de duas crianças que morreram por conta do deslizamento, também está ansiosa para por um ponto final nessa história, que ela classifica de terror.

“Eu perdi dois sobrinhos no início da vidinha deles. Eu quero terminar esse assunto e tentar seguir a minha vida. A minha irmã está tentando se recuperar e conseguiu um trabalho. Queremos tocar nossa vida em nossas casas”, clamou a jovem.

Raquel disse ainda que está aguardando um apartamento no Badu, na Região de Pendotiba, já que ela disse que foram dadas mais duas opções de escolha de locais nas reuniões: Morro do Castro e no próprio Fonseca. Mas novamente questionada sobre esse assunto, a Prefeitura de Niterói não se manifestou até o fechamento dessa edição. Sobre o Vivendas do Fonseca, de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, através do programa Minha Casa, Minha Vida, o banco informou que o empreendimento se encontra nos trâmites finais para entrega aos beneficiários.

O condomínio terá 200 unidades divididas em 10 blocos, uma quadra esportiva, centro comunitário, quiosque e parque infantil. A administração municipal também não se posicionou sobre a entrega dos apartamentos e nem sobre em que estágio estão as intervenções para a retirada do maciço no Morro da Boa Esperança.

Relembre o caso – No dia 10 de novembro de 2018 o deslizamento de uma rocha matou 15 pessoas e deixou 22 famílias desalojadas após o desmoronamento no Morro da Boa Esperança, em Piratininga na Região Oceânica. A Prefeitura de Niterói se comprometeu a pagar, por um ano, o aluguel social de R$ 1.002,00, mediante à desocupação dos imóveis interditados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *