Beto Palheta vira dono de escolinha após fim de carreira precoce

A saudade que Roberto Toledo de Campos, mais conhecido como Beto Palheta, sente de jogar futebol fica fácil de ser percebida no primeiro contato. Afinal, a cicatriz deixada após ter abandonado os gramados, dói e segue aberta apesar do longo tempo sem fazer o que mais ama, principalmente por ter sido parado pelas lesões, seu principal adversário durante a carreira.

Mas o ex-jogador, campeão pelo Vasco, Bangu e Portuguesa e preparador físico do ex-jogador Romário, tenta compensar de alguma maneira toda a nostalgia. Aos 61 anos e aposentado, o ex-meia trabalha há 20 anos com uma escolinha de futebol com cerca de 20 crianças no Campo do bairro Ponta da Areia, em Niterói.

“Eu parei. Parei depois de um lesão no joelho que eu tive na perna esquerda. Aí eu decidi deixar toda a minha experiência para ajudar as crianças em busca deste sonho. Montei o projeto de escolinha que me fez não me sentir longe do futebol. Agora o intuito é encontrar, quem sabe, alguma criança que possa se tornar um profissional, assim como eu me tornei, e que possa ajudar a família”, declarou Palheta.

Segundo Palheta, que dá aula aulas às segundas, quartas e sextas, às 9h e segunda e terça-feira, às 15h, desde o sub 7 até os profissionais, o projeto é de graça.

“Vivemos de patrocínio para comprar os materiais e temos o apoio dos pais. Este apoio é importante, pois o futebol é uma profissão muito difícil. Quero passar o meu costume com o dia a dia de competições, viagens para meus alunos. Hoje, eu estou perto da família, posso me dedicar às crianças do projeto, cuidar dos meus familiares, porque no futebol você sempre está muito longe”, disse.

Experiências para as crianças
Entre alunos que estão em busca de um lugar na Europa para jogar futebol, o centroavante Sandro de Moura Lopes, de 12 anos, disse que participa das aulas e está sempre aprendendo com Palheta. “Acho que ele é bastante experiente nos treinos. Estou sempre com atenção ao treinador e procuro aprender seguindo as suas táticas. Isso está me ajudando bastante”, disse Sandro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *