Batalhão “Treme Terra” comemora 58 anos

Camilla Galeano

O 12º Batalhão de Niterói está comemorando 58 anos. Devido a pandemia, os portões não poderão ser abertos, como de costume, para receber a visita de autoridades e da população. O costumeiro torneio de Futebol das Companhias do Batalhão também não vai acontecer, assim como o Culto Ecumênico. Por causa da covid-19, um almoço interno para a corporação não vai deixar a data passar em branco. Mas isso se torna um detalhe perto de todo o trabalho que tem sido prestado a comunidade.

O Coronel Sylvio Guerra que está no comando do Batalhão há quase dois anos, falou sobre os desafios que enfrentou quando chegou à unidade. “Retornar com a sensação de segurança que o morador de Niterói perdeu foi e é o nosso maior desafio. A gente faz isso diariamente através de um planejamento operacional onde colocamos viaturas nas ruas de maneira ostensiva. Não podemos deixar de lembrar o desafio de manter baixo os índices de violência da cidade. Estamos conseguindo diminuir gradualmente desde 2019. Isso tudo graças ao Niterói Presente, a Guarda Municipal, a Policial Civil, os agentes do 12º Batalhão, e uma integração muito grande do Governo do Estado com o município de Niterói.”

O 12º BPM tem concentrado o combate à violência na cidade de Niterói em várias frentes, contra os roubos a transeuntes, de veículo e contra o tráfico. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgados essa semana comprovam a queda nos indicadores de criminalidade em Niterói relativos ao mês de outubro. Dentre os destaques estão a redução de 65,67% no roubo de veículos, no acumulado de janeiro a outubro deste ano, quando comparado ao mesmo período de 2019. O roubo de rua apresentou queda de 35,15% no mesmo período e atingiu o patamar mais baixo da série histórica.

Gilson Chagas, secretário do Gabinete de Gestão Integrada Municipal, e que também já foi comandante do 12º Batalhão, lembra que os programas voltados para o combate a violência, como PROEIS, e o investimento em tecnologia, que disponibiliza o Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) com 522 câmeras monitorando a cidade 24 horas, colaboram para a queda desses índices.

“Esse nosso trabalho é primordial porque quando temos o acompanhamento semanal do deslocamento da mancha criminal baseada em ocorrências nas delegacias podemos disponibilizar as informações e ferramentas para que as forças de segurança elaborem um planejamento dinâmico para o combate à criminalidade”,

O Coronel não esconde o orgulho que sente de estar a frente de uma unidade, que segundo ele, ocupa um lugar especial em sua vida.

“Tenho um orgulho muito grande de poder estar a frente de uma unidade tão expressiva na Polícia Militar. E um orgulho maior ainda de estar comandando a mesma unidade que meu pai já comandou. Para a minha tropa eu só tenho agradecimento pelo seu desempenho. Porque sem eles nós não chegaríamos a onde nós chegamos”.

A satisfação que o coronel sente, é estendida para a população. O gerente de loja, Leonardo Campos, passa todos os dias na frente do Batalhão e escuta sempre a mesma coisa do filho Kayque de 8 anos.

“Todos os dias, quando vou trabalhar, deixo meu filho na casa da avó. A gente passa na frente do Batalhão e ele fala todos os dias a mesma coisa. ‘Papai que prédio bonito. Quando eu crescer quero trabalhar ai fazendo a mesma coisa que esses moços fazem. Protegendo as pessoas’. E não acho que ele mude de ideia, porque desde menorzinho ele tem essa admiração com policiais”, conta Leonardo.

O 12º BPM foi criado pelo Decreto Lei nº. 5094 de 27 de novembro de 1962, sendo implantado no antigo Quartel General da Polícia Militar Fluminense (atual sede do 4º CPA), com a denominação de 5º Batalhão de Polícia. O primeiro comandante da unidade foi o coronel PM Armínio de Souza Pinto. Posteriormente a sua sede transferida para a Rua Desidério de Oliveira, e em 15 de abril de 1966 foi definitivamente instalada na Avenida Jansen de Melo. Com a fusão dos estados do Rio e da Guanabara houve a renumeração dos batalhões existentes, cabendo, pela ordem de criação, a classificação de 12º BPM para esta unidade. Até o mês de maio de 1984 a cobertura da unidade se estendia até a Região dos Lagos, que atualmente é servida pelo 25º BPM (Cabo Frio). Hoje, o 12º BPM é responsável pelo policiamento das cidades de Niterói e Maricá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + oito =