Barcas fecham ano com R$ 120 milhões de prejuízo

A operação do sistema de barcas no Rio de Janeiro deve fechar o ano de 2021 com prejuízo de R$ 120 milhões. Quem confirma a informação é a própria CCR Barcas, concessionária que opera o serviço. É importante ressaltar que o valor engloba todas as linhas, entre elas Praça XV – Praça Arariboia e o Catamarã Charitas Praça – XV.

Na edição de ontem de A TRIBUNA, foi revelado que o serviço continua operando com apenas 10% da ocupação nas embarcações e com movimento 90% abaixo do que era observado antes da interrupção devido á pandemia da Covid-19. A agência que regula transportes públicos no Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) revelou detalhes sobre o contrato de concessão.

De acordo com a agência, está descartada uma interrupção unilateral do serviço. Segundo consta no contrato, a concessionária, ainda que acumule prejuízos, não poderia deixar de operar. No caso do Catamarã, ainda que se trate de uma linha seletiva, uma eventual nova interrupção dependeria de um consenso entre concessionária e o Estado.

Nessa primeira etapa da retomada, o serviço segue com intervalos de uma hora, entre as viagens. São dois períodos distintos: de 6h15min às 10h15min (no sentido Charitas X Praça XV) e 6h45min às 10h45min (no sentido Praça XV X Charitas); 17h às 19h (no sentido Charitas X Praça XV) e 16h30min às 19h30min (no sentido Praça XV X Charitas).

O valor da tarifa, que sofreu reajuste anual conforme previsto pelo contrato de concessão, é de R$ 19, por viagem. O serviço foi interrompido desde março de 2020, devido à pandemia do coronavírus. A estação recebeu por procedimentos regulares de manutenção, de acordo com o cronograma de serviços que contempla todas as estações do transporte aquaviário administrado pela companhia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.