Bandidos roubam R$ 100 mil em carga de cigarros e bebidas

Augusto Aguiar

Agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) estão investigando uma quadrilha especializada em ataques a veículos de entregas de cigarros nos municípios de São Gonçalo e Niterói, responsáveis por uma sequencia alarmante de assaltos em vários bairros das duas cidades. Agindo sempre fortemente armados, nem os guardas patrimoniais que fazem a escolta dos veículos de entrega estão sendo obstáculo para a quadrilha, que na manhã de ontem desafiou os policiais em mais uma demonstração de ousadia, roubando mais de R$ 100 mil em produtos. Há desconfiança de que o bando seria originário do bairro do Caju, na Zona Norte do Rio.

Na manhã de segunda-feira (31), de acordo com fontes policiais, vigilantes que trafegavam e faziam a escolta de um dos furgões da empresa Souza Cruz – mesmo fortemente armados com escopetas – foram mais uma vez surpreendidos, quando ocupantes de um outro veículo, modelo Golf, de cor preta (blindado), que havia sido roubado em Petrópolis (Região Serrana), colidiram contra o carro da empresa de escolta armada, modelo Chevrolet Spin (que não possui blindagem). O ataque ocorreu na Rua Cícero Galdino, no bairro do Gradim. Havia pelo menos quatro criminosos armados dentro do Golf. Em seguida, um outro carro, modelo Honda City, se aproximou e de dentro dele desceram mais quatro homens armados. Os três vigilantes, o motorista e o ajudante da empresa foram dominados após breve troca de tiros. Segundo relatos, os criminosos portavam pelo menos três fuzis.

Com rapidez, os bandidos seguiram com o plano e encostaram um segundo furgão ao lado do utilizado pela empresa. Após usarem um aparelho para bloquear um sinal de satélite emitido para localização, os bandidos transferiram toda a carga do furgão da empresa de cigarros para o segundo furgão, abandonando o Golf blindado e fugindo com a carga, avaliada em R$ 103 mil (entre caixas com pacotes de cigarros e bebidas). Até a tarde de ontem não havia notícia sobre a localização dos criminosos, que podem ter atravessado a Ponte Rio-Niterói.

Sequência de roubos
De acordo com levantamento da empresa, uma média de dois assaltos contra veículos da empresa estariam sendo cometidos por semana. Mais recentemente, também segundo fontes policiais, dois vigilantes já teriam sido baleados (com um óbito) durante ataques da quadrilha em São Gonçalo.

Em um dos roubos praticados pelo bando, os vigilantes foram neutralizados, mantidos como reféns e levados para o bairro do Caju. Lá, a carga foi transferida para outro carro e as vítimas foram libertadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =