Bandidos continuam atacando ônibus do Rio em direção a Niterói e Maricá

Usuários de coletivos que fazem o trajeto do Centro do Rio para Maricá, Niterói e São Gonçalo, passando pela Ponte Rio-Niterói, viraram alvos preferidos dos assaltantes, que quase sempre embarcaram nos coletivos, num ponto de ônibus com grande movimentação de passageiros, situado na Avenida Francisco Bicalho, na Zona Portuária do Rio, nas imediações do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Entre a manhã e a noite de quinta-feira pelo menos dois coletivos que seguiriam em direção a Niterói foram roubados no mesmo local, respectivamente das viações Mauá e Nossa Senhora do Amparo, esta última (segundo comentários de passageiros) o principal alvo dos bandidos.

O mais recente registro de ataque de criminosos aos coletivos que acessam a Ponte Rio-Niterói ocorreu na noite de quinta-feira, por volta das 19 horas, quando bandidos armados renderam os passageiros que estavam num ônibus da linha Castelo-Maricá (Viação Nossa Senhora do Amparo). Os bandidos ordenaram que o motorista não subisse a ponte e seguisse em direção a Avenida Brasil. Depois de roubarem os pertences das vítimas, os bandidos desembarcaram na altura do bairro do Caju. Apenas algumas das vítimas registraram queixa do assalto na 17ª DP (São Cristóvão) e a maioria decidiu seguir o trajeto, sem formalizarem a ocorrência. Esse roubo ocorreu apenas algumas horas antes de outro ataque do gênero, dessa vez contra os usuários de um coletivo da Viação Mauá. Os passageiros que faziam o trajeto Castelo-Niterói foram assaltados quando o ônibus parou na Avenida Francisco Bicalho, nas imediações do Into, por volta das 8 horas. A dupla de criminosos embarcou no ônibus e rendeu várias vítimas, obrigando o motorista a sair de seu itinerário, na direção da Avenida do Contorno, no Barreto, onde fugiram levando diversos pertences, entre celulares e dinheiro das vítimas. A ocorrência foi registrada na 76ª DP (Centro).

Há meses a polícia tenta identificar e prender criminosos que atacam ônibus. Os registros de ocorrências no mesmo local se multiplicam na 17ª DP, sendo em grande parte relacionados a roubos de coletivos que ocorreram na Avenida Francisco Bicalho, próximo ao Instituto de Traumatologia. Em 2017 foram 689 ocorrências registradas na 17ª DP, até o mês de outubro, de acordo com números do Instituto de Segurança Pública (ISP) – 39 em janeiro, 46 em fevereiro, 79 em março, 82 em abril, 35 em maio, 35 em julho, 89 em julho, 100 em agosto, 106 em setembro, e 78 em outubro. No ano passado o total de roubos de coletivos registrados na mesma DP foi de 438, ou seja, houve aumento na incidência em torno de 57%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 3 =