Balanço bem positivo dos carnavais de Niterói e Maricá

Wellington Serrano

O comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Márcio Oliveira Rocha, visitou a redação de A TRIBUNA na tarde de ontem e fez um balanço positivo dos carnavais de Niterói e Maricá. “Acho que a polícia militar fez um excelente trabalho”, apontou.

“Não houve nenhuma ocorrência de vulto, ficamos felizes quando a gente vê isso. Ainda temos os desfiles das campeãs e outros blocos estão sendo autorizados para saírem no próximo fim de semana, mas até o momento não houve nada grave. Em Niterói e Maricá tivemos ocorrências, mas nada violento ligado ao período de folia. As pessoas parecem estar se conscientizando. Não vale a pena ir pra rua brigar. Nós fazemos a prevenção, as abordagens, mas dá pra ver na rua o povo descontraído. Estamos felizes com a forma que está sendo conduzido esse carnaval”, falou o comandante.

Segundo o comandante, mesmo em regiões onde a mancha criminal é acentuada, como por exemplo, no Caramujo, não houve confusão. “Tudo está calmo, mas para isso me antecipei, né!?. Me reuni com as lideranças comunitárias do local e conversei olho no olho. Depois disso autorizei a folia, coloquei policiamento reforçado no local e eles fizeram uma festa sem problemas”, afirmou.

Para Rocha, a grande estratégia para tudo dar certo é o jogo limpo com os principais interessados. “Faço questão de receber e tenho promovido reuniões com as lideranças comunitárias de favela para poder dizer como será o nosso trabalho no local, informando o que pretendemos fazer em termos de prevenção e repressão nos eventos em que autorizo”, ressaltou Rocha.

Ele revelou o teor da conversa que teve com os responsáveis dos eventos e falou que não autorizou nenhum que não pudesse policiar. “Alinhei com as lideranças o nosso policiamento. Todo evento que autorizo paralelamente faço uma ordem de policiamento para prover a segurança das pessoas que vão estar naquele evento. Aí pergunto para eles (lideres comunitários) ‘posso colocar policiamento em tal lugar?’ É só responder para sabermos a forma como vamos atuar”, afirmou.

Conforme o comandante, a região que mais teve ações de caráter repressivo foi a Zona Norte. “Na área da 3ª Cia. do Fonseca, que é a circunscrição integrada da segurança pública da 78ª DP, tivemos uma demanda maior desde que assumi o comando em oito de novembro do ano passado. Nós conseguimos imprimir nesta região uma estabilidade de forma que não temos notícias desde então de disputas territoriais por quadrilhas rivais em Niterói”, analisou o comandante, que ainda mantém a ocupação na Vila Ipiranga e em outras comunidades vistas como estratégica para dominar o crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 2 =