Atleta olímpica recebe medalha em Niterói

Uma das maiores personalidades da história do atletismo nacional, Aída dos Santos, de 84 anos, foi homenageada ontem à noite (5) na Câmara Municipal de Niterói. Em virtude de sua heroica contribuição ao desporto, ela foi agraciada com a medalha José Clemente Pereira, honraria mais estimada concedida pelo legislativo niteroiense.

Em seu relato emocionante, Aída dos Santos detalhou sua trajetória de superação na Olimpíada de Tóquio (1964).

“Fui para lá sem técnico e sem uniforme olímpico. Quando outras atletas largavam o material, que acabavam de saltar, eu batia nas costas do japonês (da organização dos jogos) e apontava o material que eu queria treinar. Eu queria treinar, se estava errada ou certa, eu não sei, eu treinava. Na semana da competição eu não tinha tênis pra saltar”. Ela ainda contou que disputou a final contundida.

Imortalizada com os moldes dos pés no Hall da Fama do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Aída fez história na década de 1960 ao se tornar a primeira brasileira a ser finalista e alcançar o inédito quarto lugar no salto em altura na disputa olímpica.

A menina que cresceu no Morro do Arroz, em Niterói, que enfrentou preconceitos e adversidades, foi a única mulher a integrar a delegação brasileira na edição dos jogos de 1964, sua honrosa colocação foi o melhor resultado das atletas femininas brasileiras até Atlanta, nos Estados Unidos, em 1996. Na Olimpíada da Cidade do México (1968) ela competiu na prova de pentatlo.

Vereadora Walkíria Nictheroy e a ex-atleta, Aída dos Santos

“Todos os obstáculos que a juventude negra enfrenta, que as mulheres enfrentam, são um sinal da nossa desigualdade, é pela superação dessas desigualdades que nós estamos aqui, é o que nos motiva a levantar todas as manhãs. Transformar a sociedade para ser o que desejarmos, transformar para que estrelas, como nossa querida Aída, não precisem nunca mais ir às competições com fome, sem material e sem suporte”, disse a vereadora Walkíria Nictheroy, idealizadora da homenagem na Câmara Municipal.

Durante a sessão solene – Legado: Homenagem às Atletas Negras Olímpicas de Niterói – também foi aludida à moção de aplausos destinada à saltadora, Ingrid Oliveira, que em decorrência de um imprevisto na agenda não pôde comparecer. Jovem atleta de alta performance dos saltos ornamentais, Ingrid alcançou índices nas etapas classificatórias que carimbaram seu passaporte para Tóquio 2021. A honraria destinada a ela será entregue em nova data a ser combinada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 6 =