AS SEMENTES SÃO BOAS (III)

Jourdan Amóra

O Semeador permitiu que na década de 20 do século XX nascessem não apenas a Faculdade de Medicina como também os autênticos portugueses que escolheram Niterói como a desejada terra fértil, implantasse na então capital fluminense o gigantismo do Hospital Santa Cruz, por onde passaram diligentes administradores como Lizardo Lima e Stuessel Amóra e notáveis equipes médicas, como as formadas por Célio Henrici, Guilherme Euroco e tantos outros.


Tudo indicava que Niterói seguiria caminhos por terrenos fertéis, mas surgiram devastadores semelhantes aos que operam nas florestas e muita descrença começou a vicejar. Foram lamentáveis os fechamentos do Serviço de Assistência Médica de Urgência (Samdu) e do Pronto Socorro, na confiança de que o Hospital Municipal Antonio Pedro cumpriria melhor as funções de Pronto Socorro e de Maternidade, com a ampliação do atendimento clínico, dos centros básicos de imagem e laboratórios e maior atuação na área da cirurgia.


Também foi lamentável que, embora erguido o imóvel, não se realizou o sonho daqui se implantar, nos anos 50/60 do Hospital do Câncer, na Rua La Salle.


Em meados do século passado, jovens médicos e consagrados à missão escolhida uniram-se e criaram várias clínicas e pequenos hospitais, que não subsistiram à política de saúde reinante, mesmo com a criação do Sistema Único de Saúde, nascido em Niterói.


Não existiam planos de saúde e nem luxuosos consultórios médicos, mas destacavam-se como renomados médicos Marcolino Candau, Antonio Abunahman, Eduardo Kraichete, Salvador Borges Filho, Geraldo Chini, Paulo Cesar Schot, Cézar Mathias, Herbert Praxedes, Edgard Alves Filho, Eunive Vieira Damasceno, Silvio Lago, Gil Alves de Lima, Sadi Abelha, Eduardo Imbassahy, Waldenir Bragança, Marcos Malta, Ronaldo Pontes, Edgard Venâncio, Liacyr Ribeiro, Manoel de Almeida, Clarimesso Arcuri, Ladir Ribeiro, Paulo Piloto, Alberto Amim, Manon Chimelle, Luiz Abrahão, Joaquim Baião, Altamiro Viana, Antonio Cunha Pereira da Silva, Adib Lahuar, Carlos Tortely, Enildo e Edilson Feres, Tarciso Rivello, Geraldo Mota, Iridio Silva, Renato Martins da Silva Junior, Calixo Nami Kalil, Eufrônio de Almeida, José Leomil, Nadir Coelho, Henry Cury, Angelo Bittencourt, Eweald Kramer, Wilson Vieira.


A lista é grande e inclui, ainda, José Antonio Abi-Ramia, José Luis Guarino, Wanderley Valladares, Mario Negreiros dos Anjos, Heitor Braga, Sebastião Perlingeiro, Julio Cesar Ricart, Marlene Muniz Teixeira, Pedro Jaimovich, Floriano Feltrim, José Herminio Guasti, José Otilio Machado, Victo Chinello, Domenico Accettas, Ediacy Machado, Luis José Martins Romeo, Nédio Mocarzel, Mário Picanço, Mario Leal Barcelar e Luiz Rotondaro.


Durante 14 anos este jornal ressaltou estes e outros nossos valores, como o caderno “Obrigado Doutor”, símbolo ao reconhecimento da comunidade aos sacerdotes da Medicina. (Continua)

  • Republicado de 11 de junho de 2020

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − treze =