ARTIGO: De Niterói à Direção-Geral da Organização Mundial da Saúde

Por Waldernir de Bragança*

Marcolino Gomes Candau – Diretor da Organização Mundial da Saúde 1953-73

O Dia Mundial da Saúde é celebrado em 7 de abril para marcar a data de fundação da Organização Mundial de Saúde, que a cada ano escolhe um tema prioritário e encoraja pessoas e comunidades a se reunirem na promoção de eventos ressaltando a sua importância para a melhoria da saúde e do bem-estar das populações.

Em 2020, a OMS homenageia profissionais de Enfermagem e Obstetrícia. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou que a data é marcada em um ano particularmente difícil: “Minha mensagem é para nossos profissionais de saúde – enfermeiras(os), parteiras(os), técnicos, paramédicos, farmacêuticos, médicos, motoristas, profissionais de limpeza, administradores e muitos outros – que trabalham dia e noite para nos manter seguros. Hoje, estamos mais profundamente gratos do que nunca a todos vocês, enquanto trabalham sem parar, colocando-se em risco, para combater os danos dessa pandemia”.

É de se ressaltar a importante presença na OMS do médico brasileiro Marcolino Gomes Candau, que foi diretor-geral da instituição por 20 anos, eleito em 1953 e reeleito três vezes por unanimidade dos países membros (fato inédito em organismos internacionais) – tornando-se o único brasileiro até hoje a ocupar o mais alto cargo da Saúde no mundo.

Formado na Faculdade Fluminense de Medicina (UFF) em 1933, em Niterói, onde trabalhou e foi professor, Candau fez curso de Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública e mestrado na Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos (através de bolsa de estudos), e prosseguiu exercendo funções nas unidades de saúde do Estado do Rio e do Brasil e em organismos internacionais, conhecendo de perto os problemas sanitários e colocando sua capacidade de liderança para estimular colegas para o Sanitarismo. 

Em 1950 iniciou sua carreira na OMS, ascendendo rapidamente para tornar-se assistente do diretor-geral e depois assistente da Organização Sanitária Pan-Americana. Em 1953 foi Marcolino Candau eleito para a direção-geral da Organização Mundial de Saúde – aos 42 anos de idade feito ministro da Saúde das Nações Unidas, a enriquecer suas origens, enobrecendo, dignificando a profissão, servindo aos povos, erguendo e mantendo, por duas décadas, a mensagem de credibilidade no médico brasileiro, na sua Medicina e na Saúde Pública.

Candau deu novas dimensões à OMS, elevando o número de países membros de 48 para 153, entre países e regiões geográficas. Enfrentou problemas técnicos e políticos. O Brasil se fez atuante, assim, desde as origens, no organismo de Saúde Pública da ONU. Soube ultrapassar limites e fronteiras para levar o bem comum a todas as regiões, sem distinção de raça, credo, condição social, política ou ideologia, contribuindo para a harmonia entre os povos, o bem estar e a felicidade das nações. Portador dos ideais. Pioneiro, desbravador, Bandeirante da Saúde. Construiu e deu ao mundo a sede da OMS em Genebra, na Suíça – o centro de onde chegam e saem as coordenadas mensagens dos avanços em todas as partes do mundo. Naquela monumental sede se encontram, nos painéis, nos cactos nordestinos, nos quadros e objetos que a ornamentam, a memória imorredoura do Brasil e de Marcolino Candau, que deixou lá, para sempre, as marcas do seu idealismo.

Niterói manifestou seu reconhecimento ao grande vulto da Saúde Pública mundial, criador da Era Candau da OMS, dando seu nome ao Centro Social Urbano da Ilha da Conceição e a uma rua do bairro de Piratininga. Benemérito da Associação Médica Brasileira e da Associação Fluminense de Medicina, Patrono da Cadeira nº 6 da Classe de Ciências da Academia Fluminense de Letras, Doutor Honoris Causa do Conselho Universitário da UFF, Candau foi homenageado com as mais altas distinções conferidas por exponenciais organismos de diversos países de várias regiões geográficas do mundo. Em 1973 foi escolhido, por unanimidade, pela XXVI Assembléia Mundial de Saúde, para receber o título de Diretor-Geral Emérito da Organização Mundial de Saúde.

Citamos as palavras do também ex-diretor-geral da OMS Hiroshi Nagagima: “Segundo diretor-geral da OMS, Dr. Candau manteve a posição por um período mais longo do que qualquer outro diretor-geral. Muito do que a instituição é hoje e muito do modo como funciona se deve ao pensamento, conselho e liderança do Dr. Candau. Os sucessos da OMS – como a erradicação da varíola, a vindoura erradicação da pólio e da filariose, não seriam possíveis se uma sólida infraestrutura não tivesse sido construída por esta organização. Dr. Candau estabeleceu as bases para esta infraestrutura”.

Em 23 de fevereiro de 1981 faleceu o ex-aluno da Faculdade de Medicina de Niterói, o dignificador de mandatos, honrando o Brasil no serviço à paz e harmonia entre os povos e à felicidade das nações. É justo que se associe o nome de Marcolino Candau quando se comemora o Dia Mundial da Saúde. O desaparecimento físico não pode apagar a memória de suas obras e feitos como exemplo de perseverança, a consciência da missão que lhe fora confiada e a visão em favor da saúde da humanidade.

Waldenir de Bragança

Médico Sanitarista / Presidente da Academia Fluminense de Letras
Ex-Presidente da Sociedade Brasileira de Higiene e Saúde Pública / Ex-Prefeito de Niterói

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − quatro =