Após a maternidade, como voltar ao trabalho?

Raquel Morais –

Maio é considerado o mês Mariano para os católicos, o mês das noivas e o mês das mulheres e nada mais justo de muitas homenagens para elas, que de frágil não têm nada. Dona de casa, mãe, filha e esposa. Será que ainda tem espaço para mais atividades na vida das mulheres? A resposta é simples: sim. Elas arrumam tempo para serem empreendedoras e o que não vale é ficar parada. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que o último levantamento, de 2016, as residências brasileiras chefiadas por homens caiu 2,37% em relação ao ano de 2015 (de 41,5 milhões para 40,5 milhões).

Em 2016, 41% dos lares passaram a ser chefiados por mulheres enquanto em 2015 esse índice era de 38%. A costureira Eliza Strippoli, de 29 anos, disse que trabalha de casa costurando para sua loja online de roupas infantis, e que por muitas vezes é o seu orçamento que paga as contas de casa. “Casamento é parceria e quando o comércio do meu marido não está em um momento bom, o meu negócio segura as pontas das contas de casa”, pontuou.

Eliza, junto com cerca de 150 outras mulheres, fazem parte do movimento Mães Empreendedoras de Niterói, que agrega as mães que produzem algo ou são revendedoras a fim de incentivá-las com o negócio. Érika Blautt, 40 anos, é criadora do grupo e tem uma empresa de comunicação e marketing. Após a maternidade, teve a ideia de criar um movimento para ajudar as mães que queriam entrar no mercado de trabalho, mas tinham que dividir o tempo com a maternidade. “Hoje fazemos reuniões e damos até consultoria, além de nos ajudarmos entre a gente com os serviços que prestamos. Estamos em 150 mães empreendedoras, que fazem desde doces para fora até dão aula particular”, pontuou.

A professora de inglês Roberta Falcão, de 36 anos, também optou por trabalhar em casa depois do nascimento do pequeno Natan, de seis meses. “Dou aula online de inglês e ainda faço traduções. É uma forma de ganhar dinheiro e curtir os filhos, sem deixar de participar efetivamente da criação deles”, contou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 1 =