Após 3 semanas, comércio voltou a funcionar em Niterói

A flexibilização das medidas restritivas em Niterói, após três semanas de vigência de medidas de isolamento social duras, permitiram a reabertura gradual das atividades econômicas no município de Niterói. Na segunda-feira (19), comércios de rua, shopping centers e academias voltaram a funcionar, desde que observem normas sanitárias e respeitem os horários determinados. As medidas foram possíveis após a queda do indicador síntese de 12,8 pontos em meados de março, para 10,5 na última semana com tendência de queda. A previsão é que ao longo da semana o índice fique abaixo dos 10 pontos, saindo da Fase Laranja para a Fase Amarela 2.

O comércio de rua do Centro de Niterói voltou a funcionar, mas observando o horário de 8h às 16h, enquanto as lojas do comércio de rua nos bairros podem funcionar das 10h às 18h. Já os shopping centers da cidade podem ficar abertos das 11h às 22h. E as academias podem funcionar das 6h às 23h, de segunda a sexta, e das 6h às 13h, aos sábados, domingos e feriados

No primeiro dia de reabertura do comércio de rua no Centro de Niterói, as ruas ficaram cheias e o movimento foi intenso durante o período da tarde. Alguns comerciantes, como Dilmar Santos da Silva, comemoraram a reabertura. “As pessoas precisam trabalhar. Quem tem seu comércio como única fonte de renda, precisa reabrir com todas as garantias”, afirmou o comerciante de 72 anos, que diz já estar imunizado com as duas doses da vacina.

No geral, os comerciantes afirmaram que no primeiro dia da reabertura, o movimento ficou dentro do esperado. No entanto, vendedores de algumas lojas reclamaram do horário de funcionamento estabelecido pelo decreto da prefeitura. “Escolheram o pior horário. Às 8h não tem ninguém na rua e estamos indo embora às 16h, no horário de pico”, afirmou o estoquista Felipe Silva, 32 anos. Nesta terça-feira (20) será a vez das bancas de jornal, que poderão funcionar das 7h às 17h, e do setor de beleza, das 9h às 20h. Para Antônio Ciambarella, presidente Associação dos Proprietários de Bancas de Jornal de Niterói e São Gonçalo, a expectativa é de recuperar um pouco do prejuízo que tiveram nessas semanas de fechamento. “A perda nossa é uma coisa que não se recupera, pois trabalhamos com mercadorias que acabam, a matéria no outro dia já não tem mais sentido comprar. A gente entende a pandemia e tudo, mas espero que não fechemos de novo. É necessário as pessoas ficarem informadas”, afirmou dizendo que, se a imprensa é um serviço essencial, as bancas também devem ser.

Proprietária de um salão no Ingá, Cristiane Moreira, de 43 anos, disse que com os salões atuando apenas os dez últimos dias do mês, o setor deve ter dificuldades para quitar suas contas. “Já temos clientes agendadas para toda a semana. Mas não temos certeza de que isso irá suprir todas as contas. Não será possível reaver em 10 dias o faturamento de um mês inteiro. Vamos ter problemas de fechar folha de pagamento e a comissão das profissionais”, declarou. A esperança para Cristiane é que, um possível demanda reprimida causada pelos dias fechados causem uma procura maior pelos serviços que em um fim de mês comum, compensando um pouco as perdas do setor.

Já o proprietário de uma barbearia no Centro de Niterói, que preferiu não ser identificado, passou o dia organizando o estabelecimento. Segundo o comerciante, a procura pelo serviço tem crescido nos últimos dias e a expectativa é grande para o retorno. “Nós fizemos uma higienização profissional aqui na loja, vamos disponibilizar máscaras e álcool em gel para os clientes, aumentamos a quantidade de descartáveis para os profissionais e o atendimento só ocorrerá mediante agendamento”, assegurou o proprietário.

Amanhã (21) outras atividades econômicas serão retomadas com a reabertura dos clubes sociais e esportivos e serviços de lazer, das 13h às 19h de segunda a sexta-feira, e das 6h às 13h nos sábados, domingos e feriados, a partir do dia 21 de abril de 2021. Na quinta-feira (22) reabrem teatros, cinemas e museus. Assim como as atividades que já estão reabertas, cada estabelecimento deverá se adequar aos limites de horário de cada setor previsto no decreto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 3 =