Antigo prédio da Câmara de Itaboraí passa por vistoria

Interditado há dois anos, o antigo prédio do Legislativo de Itaboraí recebeu o diretor Cláudio Elias da Silva e sua equipe técnica do Instituto Estadual do Patrimônio (INEPAC) para iniciar as obras de restauração da calçada e do edifício. A Secretaria Municipal de Cultura apresentou para o órgão estadual os principais problemas estruturais.

Logo na chegada, a equipe do órgão estadual pôde notar que a entrada se encontra interditada com as pedras do calçamento pé-de-moleque originais. Dentro do edifício, puderam notar que os barrotes de sustentação do piso do segundo andar estão danificados por cupins e infiltrações, precisando urgentemente ser trocados e restaurados. A escada também apresenta problemas de rachaduras.

“A Câmara Municipal de Itaboraí funcionou nesse prédio até 2017, depois o prédio ficou sob a tutela do Executivo Municipal. Quando retiramos o forro de revestimento do teto do primeiro andar e dá sustentação da escada constatamos que as estruturas estavam comprometidas e tivemos que chamar a Defesa Civil que acabou interditando.”, explicou o secretário de Cultura Roberto Costa.

A ideia da Secretaria Municipal de Cultura é primeiro devolver o calçamento original do patrimônio histórico e assim devolver a passagem para os pedestres da praça Marechal Floriano Peixoto. Já os planos para o prédio são de transformar o segundo andar que contém a estrutura do antigo plenário com os bens móveis antigos. O primeiro andar poderá receber as instalações de secretarias como Turismo e Cultura para auxiliar os visitantes e turistas interessados no circuito arquitetônico histórico da praça.

Construído em 1836 e inaugurado em 1840, como a finalidade de abrigar o Poder Legislativo sete anos após a emancipação de Itaboraí. O prédio da antiga Câmara Legislativa e Cadeia Pública apresenta arquitetura Neoclássica com características da arquitetura greco-romana como as colunas, frontões, arcos romanos e balaústres. A execução do projeto de construção do patrimônio é de autoria do engenheiro militar Júlio Frederico Köller. E foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio (INEPAC) em 1979.

“A praça abriga um conjunto histórico de prédios que retratam diferentes momentos do desenvolvimento de Itaboraí. Preservar esse patrimônio é fundamental não só para cidade como para todo o estado do Rio de Janeiro. O valor histórico é incalculável. É nosso dever preservar.”, afirmou a conservadora, restauradora e diretora do Departamento de Patrimônio Histórico e Memória Municipal, Tamila Trindade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =