Alimentos orgânicos podem custar até R$ 257% mais caros

Raquel Morais –

Uma pesquisa divulgada pelo Conselho Brasileiro de Produção Orgânica e Sustentável (Organics Brasil) apontou que 15% da população urbana consome alimentos orgânicos frequentemente. O índice, apesar de baixo, mostra uma preocupação das pessoas com a saúde e com o meio ambiente. Em Niterói esse segmento está em ascensão, mas os preços não são convidativos e a diferença entre um alimento orgânico e um comum pode chegar aos 257%.

No mercado Veio da Roça, em Icaraí, a proprietária Carla Santos percebe um aumento progressivo nas vendas de produtos orgânicos e naturais.

“A crise econômica prejudicou as vendas mas as pessoas entendem que é um investimento em qualidade de vida, e o consumo de alimentos orgânicos, livres de hormônios, por exemplo, cresce dia a dia”, comentou.

A médica Lívia Affonso, de 32 anos, esteve no mercado na manhã de ontem comprando carne e frutas.

“Quando minha filha começou a comer, com seis meses, eu e meu marido resolvemos mudar radicalmente a alimentação da nossa casa. A diferença do preço ainda é muito grande, mas priorizamos isso na nossa despesa e o importante é saber que ela está ingerindo alimentos saudáveis e tem tudo para se tornar uma adulta com uma qualidade de vida boa”, pontuou.

Os alimentos orgânicos mais procurados, segundo a comerciante são cenoura, tomate, arroz, milho de pipoca e frango. Todos possuem um selo que garante a autenticidade do alimento: Produto Orgânico Brasil. A certificação no plantio e manuseio dos alimentos tem um preço. Enquanto o quilo do tomate comum custa R$ 4,20, o orgânico é comercializado a R$ 15, diferença de 257,14%. A cenoura com rama custa R$ 7 e a cenoura comum sem o selo é vendida por R$ 2,80, ou 150% mais barata. O pacote de 500 gramas de milho de pipoca orgânico custa R$ 6,90 e o comum é vendido a R$ 3,20,0 o que representa aumento de 115,62%. O pacote de um quilo de arroz ‘agulhinha’ orgânico custa R$ 12,90, mesmo valor de um pacote de cinco quilos do comum. Já o filé de peito de frango com selo custa R$ 39,90 o quilo, contra R$ 11,98 o congelado comum, diferença de 233,05%.

O Organics Brasil divulgou que cerca de 64% das pessoas adquirem os orgânicos em supermercados e 26% compram os produtos em feiras. A pesquisa também relata que seis em cada 10 pessoas consultadas afirmam que consomem orgânicos porque os relacionam a melhorias na saúde. O Brasil é o maior consumidor de produtos agrotóxicos no mundo, o que interfere diretamente na saúde da população que consome alimentos convencionais e não orgânicos, possibilitando riscos de doenças crônicas, inclusive câncer.

Um comentário em “Alimentos orgânicos podem custar até R$ 257% mais caros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *