Alerj aprova um programa para estimular ajuda a DPS e BPMs

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio aprovou quarta-feira (13), em discussão única, o Projeto de Lei 2.182/16, que cria o programa “Empresa Amiga da Segurança”. O objetivo é estimular a contribuição de empresas para a melhoria da estrutura de delegacias e de batalhões da polícia, do Corpo de Bombeiros e de presídios. Uma emenda aprovada ao texto determina que os recursos doados sejam direcionados para a Secretaria de Estado de Segurança, não podendo ser vinculados a programas ou projetos específicos.

O Executivo deverá divulgar semestralmente relatório detalhando as doações recebidas. Por ter sido modificada durante a votação, o texto ainda deverá ser votado pela Casa em redação final. De acordo com o texto, pessoas jurídicas poderão participar do programa por meio de doações de materiais de papelaria, de higiene e também de obras de manutenção, reforma e ampliação dos prédios das instituições de segurança pública. As empresas poderão divulgar suas contribuições com fins promocionais.

Iniciativa pioneira já havia sido colocada na prática em Niterói
Iniciativa pioneira e semelhante já havia sido oficialmente implementada na cidade de Niterói, no ano passado, quando na reunião do Conselho Comunitário de Segurança, na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), – na presença de representantes das polícias Civil e Militar, da Justiça, da Administração Municipal e entidades do segmento comercial da cidade – foi aprovado um planejamento detalhado para ajudar os órgãos de segurança de Niterói. Como os próprios participantes do encontro definiram, o “abraço” passou a ser uma nova arma para ajudar o 12º Batalhão, delegacias e órgãos técnicos de segurança, em meio à grave crise que atravessa o estado.

O sistema utilizado foi o de “apadrinhamento”, no qual entidades e órgãos representativos da cidade abraçaram a causa e passaram a ajudar na logística da área de “Segurança”. “O Conselho de Segurança fez o chamamento público, convocando as entidades, sindicatos e o Poder Público, e eles nos atenderam. O movimento é para que os órgãos de segurança não parem de funcionar em Niterói. É para garantir o funcionamento. Vamos ajudar nossos policiais com os insumos básicos necessitados por eles para o funcionamento. Não haverá ajuda em dinheiro, mas sim de papel para impressora, material de limpeza, canetas, tinta para impressora, esse tipo de material de trabalho”, explicou na ocasião o presidente do CCSN, Leandro Santiago.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =