Aldeia indígena pede doações em Maricá

Raquel Morais

Os índios da aldeia ‘Tekoa Ka’ Aguy Ovy Porã’ (Mata Verde Bonita, na língua tupi-guarani), em São José do Imbassaí, cidade de Maricá, pedem ajuda para construção da Casa de Reza da aldeia. Essa casa é importante para fortalecer a cultura indígena e por causa da Covid-19 os índios estão com graves problemas financeiros.

A aldeia tem hoje 135 índios em 39 famílias que estão lutando para com seguirem doações para o sustento do grupo. Todos os índios foram imunizados com as duas doses da vacina contra a Covid-19, mas mesmo assim a aldeia está fechada para visitas e os índios não estão saindo para vender artesanato.

“A venda do nosso artesanato é o nosso sustento. Mas mesmo com a imunização preferimos não arriscar e estamos em isolamento social. Por isso a situação está difícil e precisamos da ajuda das pessoas para a construção da nossa Casa de Reza. É uma tradição na aldeia e da nossa cultura. É como se fosse uma igreja e onde as crianças são batizadas, onde recebemos o nome em guarani e onde fazemos nossos pedidos. A casa caiu em 2019 de uma maneira que até hoje não entendemos e desde então não conseguimos fazer outra”, contou a cacique Jurema Nunes de Oliveira, 39 anos, conhecida em tupi-guarani como ‘Para yry’.

A Prefeitura de Maricá foi questionada se poderia auxiliar a tribo e informou que cumpre o seu papel institucional mantendo uma escola municipal bilíngue (os professores ensinam a língua guarani também), criou uma equipe de Saúde permanente para acompanhamento das duas tribos e tem um setor encarregado de acompanhar os temas relativos a esse assunto e fazer a interlocução, quando necessário, junto aos órgãos estaduais e federais. Mas qualquer ação além disso como é o caso da construção da casa de reza, a Prefeitura apoia mas não tem como alocar recursos em algo que se encontra no âmbito das atribuições da Fundação Nacional do Índio, a quem cabe acompanhar o ambiente indígena em todo o país.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) foi questionada sobre o assunto mas não se manifestou sobre o assunto até o fechamento dessa edição.

A aldeia foi formada em abril de 2013 quando chegaram à Maricá após desocuparem uma área na Praia de Camboinhas, na Região Oceânica de Niterói, na então aldeia Semente. O grupo chegou a visitar algumas áreas públicas em Maricá, como por exemplo, no Caxito, Bambuí e Ponta Negra. Segundo eles as áreas ‘não eram espiritualmente boas’ para a aldeia. Segundo a Prefeitura de Maricá foi escolhida uma região de 93 hectares, entre São José do Imbassaí e Itaipuaçu, e com uma estrutura rústica (feita com argila, bambu e palha) fizeram suas ocas, que também ganharam chuveiros com aquecimento de energia solar.

Quem quiser fazer alguma doação para ajudar a aldeia ‘Tekoa Ka’ Aguy Ovy Porã’ pode fazer pelos seguintes dados bancários: Caixa Econômica Federal Agência: 1244 Operação: 013 Conta Poupança: 32307-3 CPF: 147241417-94.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =