Agradecimento e saudade no sepultamento de Irmão Amadeu

Raquel Morais

Cerca de 300 pessoas passaram pela capela do Colégio La Salle Abel na manhã e início da tarde de terça-feira (27) para acompanhar o velório do Irmão Amadeu, diretor emérito do colégio e referência em educação em Niterói. Já o sepultamento contou com cerca de 100 amigos, entre ex-alunos, representantes do instituto e personalidades políticas de Niterói, que se juntaram para o último adeus no Cemitério Parque da Colina, na região de Pendotiba.

Silvino José Fritzen, o Irmão Amadeu, faleceu no último domingo, às 19h30min, na Casa La Salle dos Irmãos Lassalistas, em Porto Alegre, aos 96 anos. Foi professor e diretor do colégio por mais de 50 anos e ao longo de sua trajetória na educação deixou muitas lembranças positivas em seus amigos. O ex-prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira, deixou para trás o lado político para se entregar à emoção de reviver histórias de quando era criança. “Estudei todo o primário no Abel e Irmão Amadeu foi muito mais do que um diretor. Posso falar que foi um segundo pai para mim. Ele era severo e rígido, mas tinha um coração bondoso e preocupado com todos os alunos da escola. Foi e será para sempre uma figura histórica em Niterói”, comentou emocionado.

O vice-prefeito de Niterói, Axel Grael, representou o prefeito Rodrigo Neves no sepultamento. “Ele foi uma referência importante da cidade e na educação e uma pessoa que, mesmo para quem não estudou no Abel, se fez presente no cotidiano da cidade. Gerações de niteroienses foram beneficiadas direta e indiretamente com ele como educador”, frisou.

Amigos e ex-alunos lembraram que Irmão Amadeu era conhecido na escola por entregar os boletins para os alunos destaques do semestre, com direito à entrega de doces no final. “Fui um dos primeiros alunos do Abel, em 1960, e se não fosse por ele não estaria onde estou hoje. Minha família humilde não tinha condição de pagar a escola e ele generosamente me cedeu uma bolsa de estudos para toda a minha educação. Com a base que tive consegui passar na Marinha e hoje sou almirante”, lembrou Jorge Bentinho, de 65 anos.

Durante a cerimônia, o padre Robson Magalhães, pároco na quase paróquia São João Batista de La Salle, em Itaipu, na Região Oceânica, fez as bençãos de despedida e ressaltou que foi Irmão Amadeu que deu início ao projeto da capela, há cerca de 20 anos. O processo para transformar a capela em paróquia ainda tramita na Arquidiocese de Niterói e não será esquecido. Apesar da tristeza da despedida, um clima de paz e agradecimento preencheu os corações de muitos representantes do Abel que estiveram presentes na solenidade.

O vice-diretor do colégio e reitor do UniLasalle, Irmão Jardelino Menegat, frisou a importância da aceitação da morte. “A despedida de um Irmão é como um ente da família e é claro que sentimos muito, mas também sentimos a alegria de saber que ele foi recebido pelos braços de Deus. Ele não estará mais por perto fisicamente, mas nos deixou um legado eterno de qualidade na educação cristã e séria”, sintetizou. O presidente da Rede La Salle, Irmão Edgar Nicodem, apontou que ele soube criar algo novo na educação. “E isso hoje em dia é desenvolvido por gerações. Um educador com modelo de cidadania e referência”.

A missa de sétimo dia está agendada para dia 31, às 10h, na mesma capela do Colégio La Salle Abel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + doze =