Acidente retoma necessidade de ampliação do Terminal

Raquel Morais –

Um morador de rua foi atropelado e morreu no estacionamento cedido pela Superintendência de Terminais e Estacionamentos de Niterói (Suten) para o Terminal Rodoviário João Goulart, no Centro de Niterói. O caso retomou a discussão em relação ao espaço do terminal, que tem 535 mil acessos diariamente, e desde de 1994 não passa por uma reforma. No início de março a administração do terminal, o consórcio Teroni, participou de uma reunião com o Ministério Público (MP), que pediu prioridade no projeto de modificação do terminal.

O projeto de expansão da área já foi amplamente discutido e, segundo o gerente administrativo do terminal, Aníbal Bonorino, no início desse mês um representante do MP entrou em contato com o grupo. “Nessa reunião nos comprometemos a executar o projeto para modificar o terminal. Isso inclui a construção de novas plataformas de acesso para passageiros e parada de coletivos. O problema do engarrafamento que os coletivos geram é ruim e essa superlotação no terminal é desconfortável para os passageiros e para os trabalhadores locais”, explicou.

A partir de abril o gerente confirmou que as pessoas já vão começar a sentir as mudanças físicas do espaço, mas os detalhes do projeto não foram divulgados. “A princípio não temos local para essa ampliação e dependemos do aval da Prefeitura de Niterói para essas mudanças”, apontou Aníbal. “Ainda usamos o estacionamento da Suten que fica atrás do terminal. Mas não sabemos como ficará essa situação”, completou. A administração municipal foi questionada sobre a possibilidade de ceder o espaço para a expansão e respondeu em nota que ‘não há previsão’.

Atropelamento e morte
Na manhã da sexta-feira (17), um senhor aparentando 60 anos foi atropelado por um coletivo da Viação Rio Minho, que faz linha Niterói-Nova Iguaçu. O idoso, segundo testemunhas, tinha dificuldade para andar e passava atrás do ônibus quando o motorista fazia uma manobra. Ele foi atingido pelo coletivo e não resistiu aos ferimentos. O caso foi registrado na 76ª DP (Centro) e o corpo levado para o Instituto Médico Legal (IML).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =