Abaixo assinado propõe mudança no trânsito da Região Oceânica

Os moradores do entorno da Avenida Raul de Oliveira Rodrigues (antiga Avenida Sete), em Piratininga, estão reunindo assinaturas em um abaixo-assinado para pedir mudanças no trânsito do local. A grande via, que liga o Piratininga ao túnel Charitas–Cafubá, é local de constantes acidentes. Motoristas abusam da velocidade na pista, que não conta com redutores e nem fiscalização eletrônica. O problema é reconhecido até mesmo pelo coronel Paulo Afonso, presidente da Niterói Transportes e Trânsito (NitTrans), que já tem planos para melhorar o tráfego na região.

Após a saída do túnel a grande via facilita a alta velocidade dos motoristas e nem mesmo os semáforos impedem a prática, já que no local a velocidade máxima permitida é 60 km/h. Na grande lombada, antes dos primeiros comércios, o problema também é grande e muitos motoristas não têm a prudência de diminuir a velocidade antes desse local. Nas esquinas das ruas Duque Costa, José Ranzeiro e Rodolfo Maier com a Avenida Sete o problema também é grave, com acidentes de trânsito e atropelamentos. O mesmo ocorre em frente ao Hospital Oceânico, que tem bastante movimento.

O abaixo-assinado está recolhendo assinaturas e será entregue à NitTrans com a solicitação de guardas de trânsito e outras medidas de segurança viária. De acordo com o documento, no mês de setembro foram registrados seis acidentes em uma única semana nas esquinas das ruas citadas. O professor Eduardo Chaves, 54 anos, explicou que a situação na localidade é muito séria.

“São vários acidentes por semana e o problema para os pedestres é que não conseguimos atravessar, mesmo com sinal vermelho, não há nenhum tipo de fiscalização. Por isso que a gente está pedindo que pelo menos coloquem guardas nos sinais para que a gente consiga atravessar. Há muito desrespeito, muitos motoristas e principalmente motociclistas que desrespeitam o sinal”, contou o morador da rua 28.

A jornalista Fernanda Schmidt, 40 anos, também está na expectativa das mudanças na região.

“Com o advento do Túnel Charitas-Cafubá os impactos foram grandes no trânsito da região e estas mudanças estão progressivamente sendo absorvidas pela população. Infelizmente muitos acidentes estão ocorrendo nesse período de transição. O objetivo da população é solicitar do poder público uma ação de caráter emergencial e progressiva cujo objetivo principal é evitar acidentes e salvar vidas”, comentou.

O coronel Paulo Afonso já tem planos para atender as reclamações dos moradores da região antes mesmo de receber o documento.

“Os moradores têm absoluta razão e nós só não fizemos algumas medidas por causa do efetivo e planejamento. Já tínhamos em mente, há muito tempo, para tomar alguma medida para resolver essa questão. Vamos fazer uma programação para tentar resolver esse problema”, contou.

Entre as mudanças previstas estão a instalação de redutores de velocidade do tipo catadióptrico, colocação de placas de sinalização orientando a velocidade máxima permitida, além de medidores de velocidade eletrônicos.

Além da questão de estrutura física o coronel também se comprometeu a deslocar um pequeno efetivo de agentes de trânsito que trabalham na área do túnel para cobrir os cruzamentos nos horários de pico, ou seja, das 16h às 21h.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − um =