A missão quase impossível de dirigir em Alcântara

Raquel Morais –

O bairro de Alcântara é conhecido por ser onde o comércio abre cedo e fecha tarde e onde os descontos correm soltos entre comerciantes e clientes. Mas a confusão não acontece somente nas calçadas, já que nas ruas a desordem parece ser ainda maior. Motoristas de carros, ônibus, caminhões, motociclistas e até os pedestres parecem não entender os próprios direitos e deveres. O resultado é o trânsito caótico, com constantes congestionamentos, irregularidades e infrações.

Há anos o bairro é um dos mais tumultuados da cidade, com muitos veículos nas ruas, além de pedestres, e uma estrutura viária que parece não comportar a quantidade de carros. A sinalização horizontal é apagada em vários trechos e a vertical, por muitos locais, inexiste. Sinais de trânsito rotineiramente estão defeituosos e também não é fácil encontrar guardas de trânsito para organizar o caos. Isso acontece em toda a extensão da Rua Manoel João Gonçalves, Estrada Raul Veiga, Rua Dr. Alfredo Backer e Rua Jovelino de Oliveira Viana, por exemplo. Na altura do Pátio Alcântara, também na Rua Dr. Alfredo Backer, outro problema grave é motivo de reclamação dos motoristas. Próximo à base da Coordenadoria de Trânsito, as ‘bandalhas’ são muito comuns, principalmente de quem vem em direção ao Centro de São Gonçalo e quer entrar no Assaí, mas não faz o retorno no shopping para entrar pela mão certa.

O entregador Ilton Pierri, de 39 anos, mora no bairro Amendoeira e passa por Alcântara todos os dias para fazer entregas. “Acho que um problema grave do trânsito é o tempo dos semáforos. Quando abre é muito rápido e fica muito tempo fechado. Além disso, a quantidade de carro que tem no município é grande. Isso tudo vira um caos e não tem mais horário para o trânsito ficar ruim. Isso está acontecendo em todas as horas”, comentou o gonçalense.

A reportagem de A Tribuna cronometrou o primeiro sinal de trânsito depois da descida do viaduto de Alcântara e ele fica dois minutos fechados e apenas um minuto aberto.

A dona de casa Tatiana dos Santos, de 43 anos, acredita que o problema maior é a falha dos próprios motoristas. “Infelizmente eu acho que o bairro pode ter os equipamentos que for que o problema é a falta de educação do motorista. Acho que o Alcântara já pegou essa cultura que tudo pode ser feito no trânsito e os pedestres também acreditam nisso. O resultado é justamente o que vemos todos os dias, pedestres se jogam na frente dos carros, os motoristas de ônibus param quando e onde querem e ninguém respeita ninguém”, opinou.

A prefeitura informou que está em processo de elaboração o Plano de Mobilidade Urbana do Município de São Gonçalo (Planmob). A Secretaria Municipal de Planejamento também está fiscalizando o processo de implantação do BRS e de uma nova ciclovia na cidade, que serão considerados dentro do plano. Essas ações visam melhorar o trânsito de toda cidade, por consequência, de Alcântara. A Guarda Municipal ainda esclareceu que as principais infrações são avanço de sinal, falar ao celular e estacionamento irregular. No total 13 guardas municipais trabalham no bairro, distribuídos nos turnos da manhã e tarde, contando também com o apoio de viaturas e motos que dão suporte a atuação das funções exercidas por eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *