A importância do recall

Pouco a pouco o brasileiro vai tendo a certeza da importância do Recall seja na indústria automobilística, nos remédios e até cerveja, como assistimos nos últimos meses.

Nos últimos anos, um dos maiores recall da história foi o dos airbags que equipam automóveis de várias marcas, entre elas, Toyota, BMW, Honda, Volkswagen e mais 11 fabricantes.

Fala-se em mais de 55 milhões de carros no mundo relacionados ao recall de airbags, que simplesmente espalham pedaços de metais enferrujados ao serem acionados, ferindo os ocupantes dos automóveis como se fosse uma pequena granada.

Esse recall recordista levou a empresa fabricante, Takata Corp. à falência e foi comprada pela americana Joyson Safety Sistems.

No Brasil, mais de 2 milhões de automóveis estão envolvidos neste recall desde 2017. Verifique se o seu carro está envolvido neste recall visitando o site do fabricante. Normalmente, pedem o número do chassis, portanto, tenha à mão o seu CRVL.

O mais recente recall foi até escandaloso: a GM/Chevrolet lançou o Onix Plus e nos primeiros dias, vários carros incendiaram. A GM demorou a proceder de forma emergencial e acabou por proibir a venda e convocou os donos dos veículos para um recall porque estava vazando combustível em conectores de mangueira que foram fabricados “fora da especificação”, como alegou a GM.

No mundo todo, vários produtos passam por recall. Essa prática é vista como uma espécie de conduta respeitosa do fabricante perante o consumidor. Mas também expõe a falta de qualidade na fabricação e montagem, que determinaram a falha do produto e o risco ao consumidor, como o caso do Onix Plus.

Remédios também passam pelo mesmo problema, sendo certo que, em minha opinião, medicamentos jamais deveriam ser fabricados com falhas, pois se trata da saúde e com grave risco à vida do consumidor já enfermo.

No caso, o recall fez com que a farmacêutica retirasse os lotes das drogarias em todo o território nacional. Portanto, considera-se um crime de responsabilidade que deveria resultar em punições mais severas, pois de acordo com o artigo 64 do Código de Defesa do Consumidor, que apenas prevê pena de detenção de 6 meses a 2 anos, apenas.

O conceito de recall se estende até no que se refere ao salvamento de vidas porque, normalmente, a medida é tomada para não expor o consumidor ao risco de lesões ou morte.

O consumidor brasileiro vai evoluindo, conhecendo mais os seus direitos a cada dia.

Não dá para abrir mão da informação honesta, clara e indispensável ao consumidor, que deve ser respeitado integralmente na sua boa-fé.

Basta que as empresas o respeitem mais e o judiciário dê a devida importância aos danos sofridos pelos consumidores vítimas de empresas irresponsáveis que não respeitam ninguém. Até o poder judiciário.

E-mail: fmelloadv@hotmail.com

Site www.fariasmelloberanger.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *