Cardiologista lança livro em Niterói

Pedro Conforte –

“Brancas, negras, mão unidas, em belo gesto de amor! À luz do sol estendidas, dão sombras de um só cor”. Esta frase é o primeiro contato que o leitor terá com o livro ‘Dizwana’, do médico Salvador Borges Filho. Lançado nesta sexta-feira (3) em Niterói, o autor tenta mostrar uma nova perspectiva sobre o racismo, contando a história de um menino que nasceu cego e aos 15 anos volta a enxergar e se depara com a diferença de raças das pessoas a sua volta.

“Este livro surgiu a partir de como eu poderia falar sobre preconceito racial, que eu pudesse falar e que o leitor pudesse enter sem ficar se digladiando. As pessoas se não enxergarem que a outra é de uma cor diferente, ela não fará comentários negativos”, comentou Salvador Borges.

Durante a noite de autógrafos dezenas de pessoas esperaram para ter uma dedicatória de Borges em seus livros Dizwana – Os namorados da Noruega Kisy e Ulf. Segundo o autor, a história gira em torno deste menino que ao voltar a enxergar descobre que foi criado 15 anos por uma negra e durante este tempo todo isso nunca foi algo que lhe vinha a mente. Este descobrimento sobre o preconceito e as raças são destrinchados por todo o livro.

No próprio prefácio, escrito pelo médico Sandro Pereira (amigo do autor), fica clara esta abordagem sobre o assunto. “Tudo leva os leitores a transitarem por um universo de conhecimentos humanísticos bastante atraentes, inclusive, porque capaz de nos passar sábias lições sobre assuntos das mais ricas e variadas naturezas”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − onze =