Projeto Pérolas ajuda a superar o câncer

Qualquer incidência de câncer não só assusta como modifica e vira de ponta cabeça a vida dos portadores desta doença. Estudos comprovam que, além do tratamento convencional, o autoconhecimento, o perdão, a busca pela felicidade e o amor, podem modificar, significativamente, este quadro. Auxiliando, inclusive, na cura. Cura física, emocional, espiritual. Cura do câncer? Sim! Não somente a cura do câncer, mas de todas as demais enfermidades que geram a doença. Com este foco que o Projeto Pérolas foi criado. A ONG propõe, em suas atividades, inovação para cuidar e auxiliar na transição e transposição do câncer.

Criado em 2013 na cidade de Niterói-RJ, pela produtora cultural Melissa Masoni, o projeto atende a mulheres em diferentes fases do tratamento: mulheres que tiveram sua imagem corporal modificada sem sua vontade e que precisam de ajuda na reconstrução de sua autoestima; que já passaram pelo tratamento e que estão sentindo depressão; em início de tratamento que não sabem o que esperar.
Os moldes do projeto foram desenhados com intuito de amenizar a dor emocional atrelada ao diagnóstico e tratamento do câncer. Fundamentado numa abordagem integral, dispõe de ferramentas multidisciplinares que atuam em conjunto com os tratamentos médicos já existentes. Pérolas é pioneiro em sua abordagem integrativa.

Atualmente a ONG realiza suas atividades com doações voluntárias de pessoas físicas, jurídicas, e parcerias comerciais. Tais como: apoio psicológico, meditação, fisioterapia, micropigmentação das sobrancelhas, tatuagem da aréola mamária, aplicação de mega hair, coaching profissional, assessoria jurídica, encontros trimestrais, nutrição oncológica, ensaios fotográficos, entre outros.

O Projeto Pérolas ainda não possui um espaço próprio, entretanto, a intenção é, ainda no ano de 2018, fundar uma sede na cidade de Niterói-RJ. O intuito é concentrar os atendimentos num único local, aumentando os padrões qualidade, acompanhamento a evolução e mantendo controle das atividades realizadas, além de remunerar os profissionais envolvidos na administração do Projeto, que trabalham arduamente, de forma voluntária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *