A Tribuna RJ

Veja as dez profissões que estarão em alta até 2015

Veja as dez profissões que estarão em alta até 2015 Publicado em: 29/12/2010

A escolha da profissão “certa financeiramente” muitas vezes acaba colocando de lado a identificação e o gosto com a carreira desejada. A questão acaba sendo sinônimo de conflitos, entre optar em fazer o que gosta e optar pelo que é mais rentável, para os que ainda estão nos primeiros passos para definir uma carreira.“Conforme revelou uma pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Rio, dez profissões já ocupam o topo das mais procuradas e com melhores chances de carreira até 2015. Apesar da exigência nas contratações de gente qualificada, seis das dez carreiras mais cotadas, são de nível médio. São elas a Engenharia de Petróleo, Engenharia Ambiental, Técnicos em Produção, Ajudantes de obras civis e em quinto lugar, a Tecnologia da Informação.
As demais carreiras de chance de sucesso estão voltadas para a fabricação de cerâmica estrutural, produção de indústrias de gás, químicas e petroquímicas, fabricação em produtos plásticos e borrachas, técnicos florestais e na décima posição, os técnicos em manipulação farmacêutica. São estas as chamadas “profissões do futuro”, que de acordo com pesquisas, apresentaram maiores probabilidades de crescimento e lançamento de vagas.
Para o estudante do curso de Petróleo e Gás, Ricardo Colombo, de 27 anos, a possibilidade de um futuro financeiro melhor foi o que prevaleceu. Em 2008, o jovem abandou a graduação de Administração, em que cursava o 6° período para tentar uma nova carreira.
Os estudantes por sua vez, no caso dos que estão deixando o ensino médio e por conta das cobranças de qual será o novo rumo seguido em alguma área do ensino superior, são exemplos dos que deixam de escolher de fato o que querem para o resto da vida, para optar por uma melhor fonte de renda. É o que confirmou o professor e chefe do departamento de Engenharia Civil e de Produção da Universidade Federal Fluminense, Osvaldo Luiz Quelhas.
“No nível de graduação, a expectativa dos alunos é de alcançar um progresso rápido. Eles buscam a excelência em conhecimentos da área e de outras ferramentas para o tal reconhecimento”, destacou.
Tendo escolhido então, a carreira a ser seguida, a orientação do professor (que também é líder de grupos pesquisas na área de gestão ambiental, responsabilidade social e empresarial) é para que o aluno invista em sua carreira, estude mais, busque pela especialização na sua área, e em outras áreas de seu interesse para abrir mais oportunidades na sua carreira. “Tal como profissionais da mesma universidade formados em medicina buscam os cursos de pós-graduação voltados para as questões dos impactos financeiros com a qualidade do serviço hospitalar em geral e os engenheiros buscam uma abordagem sistêmica sobre os problemas enfrentados no nível profissional para o desempenho das suas funções técnicas.
“Estes alunos são os que já tema visão de mercado e passam a ver como importante não só o que fazem, mas os demais aspectos voltados para um ângulo financeiro, cultural, geográfico e social”, destacou.“De acordo com estatísticas analisadas pela Catho, empresa que trabalha com o anúncio de vagas e seleção de candidatos de todo o Brasil através da internet, o maior número de vagas se concentra hoje, na região Sudeste, sendo São Paulo o Estado campeão das contratações. Em seguida, aparecem as regiões Sul, Centro-Oeste, Norte e Nordeste.“No campo da Tecnologia da Informação, hoje com 100 mil brasileiros já empregados na área, segundo os dados do Ministério do Trabalho, a estimativa é que o mercado já tenha o dobro destes profissionais até 2013. Nesta especialidade, além das constantes atualizações com as novidades tecnológicas, as qualificações necessárias se estendem ainda ao domínio nos idiomas.
No entanto, a profissão de quem cria programas de computadores, desenvolve, monta as páginas de internet e presta suporte aos usuários, ainda está em falta nas cidades da região Sul - onde os empregos que mais crescem, estão voltados para as indústrias de tecido e laboratórios farmacêuticos e mais futuramente para os farmagranjeiros. “No Centro-Oeste a prioridade é para quem trabalha em áreas voltadas para as atividades do campo, como o agronegócio. No Nordeste, a cidade de Maceió está entre as capitais que oferecem mais chances, com a construção civil em alta. É o caso de Niterói, onde dezenas de novas construções imobiliárias já estão em andamento, aquecendo o mercado.



A Tribuna Copyright © 2008
Redação, Administração, Publicidade e Industrial: Rua Professor Heitor Carrilho, 350F - Centro - Niterói - RJ - Cep: 24.030-230 Telefones: (021) 2719-1886 / 2719-1497.
Criação e Desenvolvimento: Guttdesign Comunicação e Webdesign