Entrevista com o candidato a prefeitura de Itaboraí Helil Cardozo

Wellington Serrano

Nascido e criado em Itaboraí, Helil Barreto Cardozo tem 50 anos. Morador de Venda das Pedras, é casado com a professora e fisioterapeuta Ana Maria Cardozo, tem dois filho e uma neta chamada Valentina, seu xodó. O pai, Seu Nicinho, comerciante da cidade falecido em 2004, o incentivou, aos 22 anos, a disputar a primeira eleição para a Câmara de Vereadores, onde cumpriu quatro mandatos consecutivos.

Em 2010, disputou uma vaga de deputado estadual, e ficou com a primeira suplência. Em 2012, foi escolhido como candidato do PMDB à Prefeitura de Itaboraí. Helil e o vice, Dr. Audir (PSC), que é médico e ex-deputado estadual, venceram as eleições com 38.971 votos para o mandato 2013/2016.

Já como prefeito de Itaboraí, em 2013, foi eleito presidente do Consórcio Intermunicipal do Leste Fluminense (Conleste), que reúne 15 cidades do entorno do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj).

A Tribuna – Como está sua campanha?
Helil Cardozo – Diferente do todas as outras. Estamos trabalhando de acordo com a nova lei da propaganda eleitoral e estamos muito engessados, pois existe limite para tudo. Nestas novas eleições você não sente o ‘cheiro’ de eleição em município nenhum e Itaboraí não é diferente. Por isso, vamos deixar para entrar forte nas ruas nas últimas semanas da eleição, nos adequando aos limites imposto pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) e pela justiça eleitoral.

A Tribuna – O senhor é acusado de ter usado o telemarketing ilegal em sua campanha a prefeito de 2012. E está mantendo o registro de candidatura e o mandato a base de liminares. Como se sente com isso?
Helil Cardoso – Tranquilo. Nós ganhamos em primeira instância e quando qualquer decisão é contrária ao Ministério Público cabe ao órgão recorrer. Mas, tenho certeza que vou ganhar no Rio de Janeiro novamente da mesma forma que já ganhei.

AT – Qual será sua primeira ação de governo logo no primeiro ano?
HC – Vou dar continuidade do meu mandato e melhorar à Saúde que é primordial no município. Apesar de sermos reféns dos repasses estaduais e federais, vou buscar de todas as maneiras vencer a crise e manter o Hospital Desembargador Leal Júnior aberto funcionando a todo vapor da mesma forma que funcionava antes.

AT – O senhor vai fazer uma reforma administrativa para este segundo mandato?
HC – Sim. Vou dar um choque de gestão e enxugar ainda mais à maquina. Vejo que o ano de 2017 ainda não será um início de ano bom para nenhuma cidade no Rio de Janeiro, por isso temos que pensar em medidas que visem enfrentar a crise.

AT – Como será seu governo, caso o senhor vença as eleições?
HC – Muito participativo. Vou continuar com a porta do meu gabinete aberta para ouvir a população. Vou continuar com o Projeto: “A Prefeitura Perto de Você” em todos os bairros do município e uma vez por mês, vou levar todos os secretários para ouvir os cidadãos e prestar vários tipos de serviços em loco para atender as demandas. Vamos continuar fazendo várias ações sociais pontuais que em edições anteriores chegaram a alcançar a cerca de 9 mil famílias.

AT – O senhor acredita na volta do Comperj?
HC – Sim. Pelo meu esforço e dedicação tenho certeza absoluta que vamos ter de volta o nosso Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj). Isso foi uma garantia do presidente Michel Temer, do meu partido, que me recebeu em Brasília para garantir que vai voltar com as obras do Complexo.

AT – Qual a sua ideia para melhorar a Educação da cidade?
HC – Também primordial em meu governo, vou continuar investindo no ensino integral para Itaboraí, como foi iniciado com a Escola municipal Patricia Acioli, em Itambi. Apesar da crise minha meta é colocar 30% da rede em ensino integral e vamos abrir outra Clínica Escola para Autista para atender a demanda de 200 crianças.

AT – Quando o senhor vai entregar as três mil casas do Minha Casa Minha Vida para a população?
HC – Em outubro, após as eleições, vamos entregar 1.500 unidades a população de Itaboraí. Na semana passada, mandamos um ônibus com os futuros inquilinos para visitarem as novas instalações. As pessoas que vivem de alugueis sociais esperam por esta grande conquista. O Minha Casa Minha Vida em Itaboraí é uma realidade e vai ser entregue com água, saneamento básico, asfalto e jardinagem.

AT – O que o senhor vai fazer para deixar Itaboraí mais segura?
HC – Continuar com a parceria com o Estado para avançarmos no trabalho de prevenção. Essa será nossa arma no combate aos índices de violência. Por isso, teremos um trabalho de videomonitoramento instalado no Centro do município. A nossa Guarda vai utilizar as imagens geradas por câmeras do Estado do Rio de Janeiro instaladas em diversos pontos do município para ajudar no combate a crimes. A Guarda Municipal vai contar com um trabalho em conjunto das forças de segurança para montar uma central de monitoramento.

AT – Quais são obras que o senhor vai inaugurar referentes ao seu primeiro mandato?
HC – Muitas. Apesar da crise e do problemas de arrecadação, estaremos entregando, ainda em outubro, o Centro de Reabilitação, oito Postos de Saúde da Família, uma Escola na Vila Brasil, pavimentação asfáltica em Nova Cidade, Quissamã, Apolo, Sossego, Aldeia da Prata, Ampliação e Avenida 22 de Maio, que será retomada e finalizada, da Reta até o Itashow, com calçada, ciclovia e tubulação subterrânea. Temos ainda o Centro do Empreendedor, criado com o objetivo de agilizar a liberação de alvarás de funcionamento para novos empreendimentos na cidade. A partir da agilização dos processos, nosso município vai deixar a 74ª posição no Ranking Sebrae de Empreendedorismo, e vai ficar entre as 20 primeiras, com a possibilidade de chegar ao top 10.

AT – Em ano de Olimpíadas e Paraolimpíadas qual a carona que o senhor vai pegar para incentivar o Esporte?
HC – Ajudamos pessoas da cidade a participar das Olimpíadas no Rio como foi o caso da atleta Iris Tang Sing do taekwondo nos Jogos Olímpicos. Ela, que infelizmente não passou das quartas de finais, foi Bronze no Mundial e nos Jogos Pan-Americanos, ambos no ano passado, vive em Porto das Caixas e nos procurou no gabinete e pediu a nossa ajuda. E desde 2013, desenvolvemos um projeto com ela na cidade que beneficia os alunos da rede municipal de ensino.

AT – Para a Cultura. Qual o seu compromisso?
HC – Vou incentivar a cultura da cidade. Itaboraí é altamente histórica e que pode ser bastante aproveitada em nível internacional a questão dessa riqueza que nós temos na cidade. A cultura é a única alternativa que vejo para nos tornarmos autossuficientes é catalogar os nossos monumentos e aproveitá-los. Mesmo que venha a refinaria vamos trabalhar para que nossa cidade tenha uma identidade mais forte através do turismo. Vamos garantir a retomada da obra do Teatro João Caetano, assim como a emenda parlamentar que existe e os recursos.

AT – O que o senhor vai fazer para cuidar do meio ambiente?
HC – Vejo a necessidade da criação de uma empresa de reciclagem no aterro sanitário de Itapaguará, no caminho de Pachecos. Temos muitas coisas que podem ser aproveitadas e ainda esbarramos na questão da empregabilidade. Tenho a ideia de aproveitar e fazer, no próprio aterro, um Parque, tipo o de Madureira, com uma opção de lazer que será equipado com quadras esportivas, ciclovia, pista para caminhada, corrida e até uma pista de skate.

AT – Qual recado que o senhor manda para à população?
HC – Como o pai que quer dar sempre o melhor para seu filho, da mesma forma sou assim com a minha cidade. Hoje, neste momento de dificuldade, sou responsável por muitas coisas que deixei de fazer na cidade. Sou o responsável, mas não sou o culpado por isso.

2 comentários em “Entrevista com o candidato a prefeitura de Itaboraí Helil Cardozo

  • 12 de outubro de 2016 em 14:44
    Permalink

    “AT – Quais são obras que o senhor vai inaugurar referentes ao seu primeiro mandato?
    HC – Muitas. Apesar da crise e do problemas de arrecadação, estaremos entregando, ainda em outubro,.. a pavimentação asfáltica em ALDEIA DA PRATA… […]”.

    Sou morador do bairro Aldeia de Prata, citado nessa entrevista por Helil. Segundo ele, será entregue a obra de pavimentação asfáltica aqui no bairro. Até então, nada iniciou-se aqui no bairro. Estamos completamente abandonados. Infelizmente, sempre foi assim.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *