Doações de sangue caem até 50% em Niterói

Raquel Morais –

Alguns centros de captação e doação de sangue estão com estoques baixos em Niterói. A vacinação em massa contra a febre amarela contribuiu para a baixa procura pela doação, já que é preciso uma grade de espera de quase um mês para realizar a doação de sangue. Por exemplo, na Clínica de Hemoterapia Niterói, no Centro, a queda na doação chegou aos 50%. Na próxima terça-feira (17), o Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) vai realizar uma ação para conscientizar as pessoas sobre doação de medula óssea e de sangue.

O chefe de captação da Clínica de Hemoterapia Niterói, Joaquim Gonçalves, explicou que após a pessoa receber a dose da vacina contra a febre amarela é preciso esperar 28 dias para poder doar sangue ou plaqueta. “O vírus é vivo e é preciso esperar quase um mês para o organismo produzir o anticorpo e o sangue estar apto para a doação. A escala foi muito grande em Niterói e tivemos uma queda de 50% nessas doações. Agora é preciso que a população procure as clínicas para fazer essa ação social”, comentou.

O niteroiense Sandro Correia, de 50 anos, é um exemplo disso. “Tem dois anos que eu faço a doação de sangue e agora estou doando as plaquetas. É algo que faz bem a outra pessoa e às vezes a gente não pode ajudar alguém com algo material, mas pode ajudar doando um pouco de vida”, pontuou.

Na próxima terça, das 8h às 15h, na Rua Eusébio de Queiroz, 333/6º andar, no Centro de Niterói, o público vai poder entender um pouco mais sobre esses processos de doação de sangue e plaqueta, através de uma parceria do CHN com a ONG Davida Casa do Bom Samaritano.

O evento será gratuito e aberto ao público com direito a palestras interativas sobre a importância da doação consciente, fazer o cadastramento como doadores no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e ainda doar sangue. As palestras da ONG Davida, sobre o tema “A Importância da Doação de Medula Óssea”, serão às 10h, 12h e 14h e têm como objetivo estimular reflexões sobre a importância do ato de generosidade. “Não basta apenas ter o desejo de ser um doador, é preciso ter em mente que participar do banco de medula é um gesto de generosidade muito importante e que necessita de todos os dados sempre atualizados, para que seja possível fazer a ponte entre o doador e a pessoa que necessita dele. É preciso ser um doador consciente”, explicou Cristina Ana Figueroa, presidente da ONG Davida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *