Comerciantes do Centro de Niterói se queixam da violência

Anderson Carvalho –

Não bastasse a crise econômica, a violência. Os comerciantes das ruas Visconde de Sepetiba e Marquês de Caxias têm sofrido constantes arrombamentos em seus estabelecimentos. Nem os registros de ocorrência feitos na 76ª DP (Centro) têm ajudado a melhorar o policiamento na região. Segundo os empresários locais, nos últimos dois meses pelo menos 14 lojas teriam sido arrombadas. Eles estão descrentes de uma melhoria na situação.

“Tem havido um excesso de roubos e arrombamentos na região, principalmente nos fins de semana. Todos os estabelecimentos das ruas Marechal Deodoro e Saldanha Marinho já foram arrombados. Teve um bar no último dia 27 e uma peixaria no último dia 23. Além disso, soubemos que um criminoso está divulga um falso aluguel de carro para Uber. Já roubaram carros aqui na rua também. Já fizemos registros na delegacia”, contou o comerciante Francisco Cunha, que tem um bar na área.

O comerciante Márcio Scott Rodrigues, dono de um frigorífico de peixe na Rua Visconde de Sepetiba, já teve o estabelecimento arrombado duas vezes nos últimos dois meses. “Há dois meses eu fui encontrei a porta aberta e tinham roubado o dinheiro. No último dia 31 de dezembro também. Eu cheguei na peixaria e vi a porta arrombada. Levaram quinhentos reais em espécie. Na primeira vez, em agosto, eu tinha feito boletim de ocorrência na delegacia e nada fizeram. Por isso, nas outras vezes, não registrei queixa. Não acredito que farão alguma coisa”, reclamou o comerciante.

Em setembro do ano passado, dois estabelecimentos do Centro também sofreram arrombamento. No dia 13, uma loja de bolsas e roupas na Rua da Conceição, perto da sede da Secretaria Municipal de Fazenda e da sede da 76ª DP, foi arrombada. No dia seguinte, a corretora de seguros Mapfre, na Rua Visconde de Sepetiba, também foi invadida.

Procurado, o comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Márcio Rocha, afirmou que vai analisar as reclamações para reforçar o policiamento na área. “A região Central sempre teve uma atenção especial de nossa parte. Vamos analisar as ocorrências nestes logradouros para elaborar um planejamento de policiamento. É importante que os comerciantes registrem queixas na delegacia para, com base nas estatísticas, montarmos uma estratégia. Trabalhamos assim. Sugiro aos donos dos estabelecimentos para instalarem dispositivos de segurança, como alarmes, sensores e cercas. A segurança é dever do Estado e a responsabilidade é de todos”, recomendou Rocha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *