Com escalada da violência cresce também número de balas pedidas

Augusto Aguiar –

Permanecia internada até a manhã desta quinta-feira (10), no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, Maria da Conceição Silva Rosa, de 66 anos, atingida por bala perdida, na noite de terça-feira, quando seguia da igreja para sua residência, na Avenida São Miguel (no bairro de mesmo nome), em São Gonçalo. Segundo informes, a vítima foi baleada quando criminosos armados, que teriam praticado um assalto a uma pizzaria, fizeram vários disparos a esmo e um deles atingiu Maria. Na avaliação médica, a vítima foi baleada no abdômen e seu estado é considerado grave. Maria da Conceição havia sido deixada por familiares numa igreja e após o culto retornava para casa a pé, quando foi baleada no trajeto. O tiro que atingiu a mulher causou danos no baço, pâncreas, rim e fígado, e foi submetida a uma cirurgia.

Entre os meses de janeiro ao início de julho desse ano, as ocorrências de balas perdidas se multiplicaram no estado. Com base em levantamentos, cerca de 630 pessoas foram atingidas por tiros nesse tipo de ocorrência no estado, o que resulta numa média alarmante de mais de três casos por dia. Do total, cerca de 70 morreram. A classificação e contabilização de “vítima de bala perdida” ocorre quando pessoas são atingidas por tiro e que não seriam alvo do atirador. As áreas consideradas mais pobres também são as de maior incidência. A Zona Norte do Rio registrou no período 145 feridos, a Zona Oeste ficou com 59 vítimas, a Baixada Fluminense ficou com 154 ocorrências. Entre os casos mais dramáticos e notórios no período estão computadas as ocorrências das meninas Vanessa Vitória dos Santos, de 11 anos, morta por um tiro na cabeça dentro de casa no Complexo do Lins, Samara Gonçalves, de 14, baleada dentro da escola em Belford Roxo, e o bebê Arthur, foi atingido por um tiro ainda no ventre da mãe, na comunidade do Lixão, em Duque de Caxias. Em Niterói foram registradas 17 ocorrências do tipo e em São Gonçalo, 19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *