Clínicas populares viram opção para quem cancelou plano de saúde

Raquel Morais –

Diminuir os gastos mensais e descrença com o sucateamento da saúde pública. Esses são os principais motivos do aumento da demanda em clínicas populares de Niterói e São Gonçalo nos últimos meses, que chegam aos 25%. As afirmações são confirmadas através dos números divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que mostram que em Niterói a queda das adesões dos planos de saúde foi de 3,3%, comparando-se janeiro de 2017 com o mesmo período deste ano.

Segundo análise dos relatórios da ANS em Niterói, enquanto janeiro de 2017 registrou 294.488 contratos de planos de saúde, em janeiro deste ano o número caiu em 3,3%, para 284.498. No comparativo de dezembro de 2017 (284.749) para janeiro, a queda foi de 0,08%. Mas no Rio de Janeiro essa tendência de queda foi quebrada, uma vez que o mês de janeiro deste ano registrou aumento de 0,4% nos contratos, em relação a dezembro de 2017.

A diretora da Clínica Médica Popular Doctor Vip Brasil, no Centro de Niterói, Cleide Rillo, disse que o aumento é muito expressivo de pessoas em busca de atendimento de qualidade. “As pessoas que tiveram que cancelar os planos de saúde estão em busca de um atendimento bom, em um consultório bom e até mesmo com hora marcada. Isso que estamos oferecendo, a clínica não fica lotada, pois as pessoas são atendidas nos seus horários. Além disso temos encaixe para pessoas que querem uma consulta não planejada”, comentou a responsável pelo espaço que vende consulta por R$ 80 qualquer especialidade.

A vendedora autônoma Rosângela Monteiro, de 63 anos, é um exemplo dessas pessoas que tiveram que reduzir custo no orçamento. “Tive que tirar o que dava para tirar e o plano de saúde acabou sendo cancelado. Confesso que fiz isso com certa tristeza, mas foi o que eu pude cancelar. As consultas mais baratas entraram como uma luva na minha vida. No início desse ano já fiz meu check up completo, uma bateria de exames e, pronto, agora só ano que vem. É claro que com o plano de saúde eu ia mais ao médico, mas dá para viver sem plano de saúde”, comentou a niteroiense.

O administrador das empresas da Policlínica Centrodador.com, situada em Icaraí, e Alcântara, em São Gonçalo, Antônio Albino, explica que a opção pelas clínicas populares surge como uma alternativa para suprir as demandas do SUS e de pessoas sem acesso aos planos de saúde ou consultas particulares com altos valores. Ainda segundo ele, a queixa não foi unilateral. Pacientes não mais podendo arcar com os altos valores e de outro lado os médicos, que em determinadas empresas chegavam a receber cerca de R$ 20 a R$ 30 por consulta. “A clínica popular supre essa demanda de mercado tornando a saúde mais acessível aos que precisam. Para as empresas e aos profissionais inseridos no modelo, a alternativa ainda se torna melhor que os planos de saúde, a nível de ganhos. A resposta de aceitação também foi boa. Nos três últimos meses, o aumento registrado foi de 25%”, explicou Antônio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *