Canal de São Lourenço continua sem dragagem

Raquel Morais –

A notícia da dragagem do Canal de São Lourenço deixou vários setores do setor naval animados: dos diretores de estaleiros até os operários. Porém, o processo da licitação permanece estagnado e a demora para a realização de todas as etapas – que vão desde licenças ambientais até execução da limpeza de dejetos –, diminui o otimismo das pessoas ligadas ao assunto. A notícia do desassoreamento circula há cerca de 10 anos e nunca esteve tão próxima de se concretizar, mas o prazo para término da licitação se esgotou em setembro.

Um dos diretores do estaleiro Camorim, na Ilha da Conceição, João Guerra, disse que a administração permanece aguardando a liberação dos documentos. “Está cada dia mais difícil as embarcações grandes entrarem no canal. O assoreamento é muito ruim, apesar de ser um processo lento, o depósito de lixo no fundo do mar é contínuo. O ideal seria concluir essa primeira etapa ainda esse ano”, comentou.

Foi publicado no Diário Oficial de Niterói o edital de licitação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (Rima) para a dragagem do canal. O estudo, no valor de R$ 772.598,53 mil, deverá garantir que o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) libere a obra, de responsabilidade do Governo Federal. A Prefeitura de Niterói informou que se prontificou a fazer o Estudo de Impacto Ambiental. O processo licitatório para o estudo está em andamento e deverá estar concluído no final de outubro, após o cumprimento dos trâmites legais.

A economia com o aumento da profundidade, que atualmente varia de um a cinco metros e chegará aos sete metros com a limpeza, poderá ser de até 30%. Embarcações muito grandes não conseguem entrar no canal e funcionários têm quer ser mandados para plataformas mais distantes para trabalhar. Além de facilitar esses dois lados, os pescadores também serão beneficiados com a limpeza, que promete renovar as águas da Baía e aumentar a entrada de peixes, com possibilidade até de ativação do Terminal Pesqueiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *