Câmara de SG abre CPI para investigar fraudes em cemitérios

Anderson Carvalho –

A Câmara Municipal de São Gonçalo instaurou ontem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias de desvio de dinheiro dos cemitérios públicos da cidade. O fato já é investigado desde julho do ano passado pelo Ministério Público Estadual e foi tema de audiência pública em junho deste ano promovida pelo vereador Sandro Almeida (PHS). Ontem, o pedido de CPI reuniu a assinatura de nove vereadores da Casa, com a adesão de Professor Paulo (PC do B).
A CPI se baseia em denúncia de uma ex-coordenadora dos cemitérios, que afirmou que recolhia o dinheiro desviado das funerárias e entregava em mãos à primeira-dama, Eliane Nanci, todos os dias na sede da prefeitura, com anuência e ciência do prefeito José Luiz Nanci.

“O dinheiro desviado provinha da arrecadação dos cemitérios e era para ser usado para a manutenção deles. Quando a propina parou, a arrecadação subiu 300%”, contou Sandro Almeida, autor do primeiro pedido de CPI, em junho. Na ocasião, ele apresentou vídeo da servidora entregando o dinheiro da propina para a primeira dama, além da situação de abandono dos cemitérios da cidade.

Na época, o parlamentar tentou emplacar a CPI no Legislativo e chegou a obter 11 assinaturas. Mas, na última hora, Natan (PSB), Professor Gallo (PPS) e Cacau (PRTB) retiraram. Desta vez, o vereador Lucas Muniz (PTN) apresentou requerimento para desarquivar a CPI. O número mínimo de assinaturas era nove, que representa um terço da composição da Casa. O Professor Paulo foi o último a assinar. “Assinei o pedido de abertura da CPI dos Cemitérios porque tenho o compromisso com o povo gonçalense. Na tentativa anterior fui um dos primeiros a assinar, mas, naquela ocasião, os trabalhos não foram adiante. Desta vez, adotei postura mais cautelosa, me aprofundei no mérito da questão com máximo rigor, conversei com cada parlamentar que assinou antes de mim. Minha assinatura foi dada por coerência política e por acreditar que o interesse público está garantido nessa CPI”, afirmou o parlamentar.

Além de Paulo, Lucas e Sandro também assinaram pela criação da CPI: Vinícius, Salvador Soares (ambos do PRB), Jalmir Júnior (PRTB), Gilson do Cefen (PR), Maciel (PTN) e Natan.

Procurada, a Prefeitura esclareceu que atua com total transparência e focada no restauro e ampliação dos cemitérios da cidade. Além disso, nega as acusações relacionadas ao desvio de dinheiro. A prefeitura disse ainda que, durante os quatro últimos anos do último governo (2012-2016), toda a arrecadação registrada no setor de administração funerária ficou em torno de R$ 1 milhão. Já neste governo, o mesmo valor foi arrecadado em 12 meses (entre maio de 2017 e maio de 2018).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *